Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Despertar da Mente

"Democracy and socialism have nothing in common but one word, equality. But notice the difference: while democracy seeks equality in liberty, socialism seeks equality in restraint and servitude." Alexis de Tocqueville

"Democracy and socialism have nothing in common but one word, equality. But notice the difference: while democracy seeks equality in liberty, socialism seeks equality in restraint and servitude." Alexis de Tocqueville

Despertar da Mente

26
Set09

Carimbo de campanha (V)

Jorge Assunção

 

Ele nunca pediu desculpas pelo não cumprimentos das promessas feitas na campanha de 2005, afinal, a culpa não é dele. Por outro lado, exigiu várias vezes desculpas ao maior partido da oposição. Sócrates conseguiu inverter as eleições, transformando-as numa avaliação ao passado e às propostas da oposição. A oposição tem a culpa de não ter evitado cair na estratégia socialista. Mas se Sócrates não pediu desculpa, eu sei quem um dia terá de pedir: aqueles que agora se preparam para o reeleger.

25
Set09

Carimbo de campanha (IV)

Jorge Assunção

 

Um dos principais temas da pré-campanha foi o dos professores. Todos os partidos da oposição tentaram capitalizar o descontentamento da classe e o próprio Partido Socialista deu uma volta de 180º na sua política inicial para o sector. Uma volta feita de pequenos passos, mas que salda-se, após tantas batalhas e recuos, na inexistência de um processo de avaliação eficaz dos professores. Os professores são muitos e suficientes para retirar a maioria absoluta ao PS. O tema foi tratado com o cuidado merecido e obrigou o animal feroz a transformar-se em cordeiro nas televisões sempre que questionado sobre o mesmo. Está prometido que José Sócrates não mais enfrentará qualquer sector como enfrentou os professores. No fundo, está prometido que o próximo governo não será reformista, nem sequer tentará parecer reformista como foi seu timbre nesta legislatura que passa. Essa é uma promessa em que eu acredito.

24
Set09

Carimbo de campanha (III)

Jorge Assunção

 

Em toda a minha vida, nunca vi primeiro ministro mais jeitoso do que este. É verdade, o sexto homem mais sexy do mundo foi tema de campanha como a taxa de desemprego, porventura, não terá sido. Entre um homem tão sexy e uma velha tão sem estilo, a escolha está facilitada. No fundo, os portugueses preferem a imagem ao conteúdo.

24
Set09

Carimbo de campanha (II)

Jorge Assunção

 

A avaliar pelas sondagens e pelos acontecimentos mais recentes, o PS sairá vencedor, de forma muito mais folgada do que a inicialmente prevista, nas eleições de dia 27 de Setembro. Como não acredito que os portugueses vejam nos últimos quatros anos e meio um exemplo de boa governação, só encontro explicação para tal resultado na falta de crença que é depositada nos partidos da oposição. E é sobretudo pena que o maior partido da oposição, o PSD, não tenha tido a arte e o engenho para capitalizar os erros sucessivos dos socialistas. Entre o governo péssimo e a oposição que nada fez para parecer melhor, sobrou o Bloco de Esquerda que verá a sua cotação subir em flecha. O CDS também deverá aproveitar algumas sobras de desiludidos com o PSD e o PCP ficará na mesma. Mas no fundo, o que importa é que a este PS o povo português prepara-se para dar outra oportunidade. Não dúvido que sofrerá uma grande desilusão.

23
Set09

Carimbo de campanha (I)

Jorge Assunção

 

Elevado desemprego? Crescimento económico paupérrimo? Não foi culpa do actual governo. A culpa foi da crise internacional. Que nunca, durante a actual legislatura, a taxa de desemprego tenha sido inferior à existente quando o governo tomou posse, pouco importa. Que as previsões futuras para o crescimento económico nacional, num eventual cenário pós-crise, apontem para manutenção de desemprego elevado e continuação das taxas de crescimento diminutas, não é motivo para preocupação, afinal, essas instituições já erraram e podem voltar a errar. Que nos indicadores de competitividade internacional, destacados no programa eleitoral que serviu de base ao actual governo, tenhamos caído a pique, é um faits-divers. Que, já em 2008, o governo tenha sido obrigado a recorrer a receitas extraordinárias para manter o défice abaixo dos 3% e que em 2009 o défice vá disparar de tal forma que o país bem pode voltar ao discurso da tanga num futuro não tão distante quanto isso, é assunto a ignorar. O endividamento é um mito e o TGV é o caminho do progresso e da modernidade. Que a minha geração, em inicio de carreira, tenha como perspectiva não alcançar o nível de vida dos seus pais, é conversa de velho do Restelo.

Tudo correu bem, o que correu mal não é culpa nossa e se em alguma coisinha a culpa foi nossa, já mudamos para melhor. Avançar Portugal.

05
Set09

Eu reparei, mas tenho saudades

Jorge Assunção

Repare-se no seguinte. O beto que estava no lugar de Canas como porta-voz do PS oficial desapareceu de cena. E deu lugar a S. Silva, o verdadeiro porta-voz e um profissional do "socretismo" e da propaganda. Com a proliferação de grupos no Facebook, desde o famoso "Libertem a empregada de Carolina Patrocinio" até ao não menos famosos "No dia 27, vamos todos correr com Sócrates?", ninguém quer criar um grupo a pedir o retorno rápido do famoso betinho Silveira?

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Outras Casas

  •  
  • Blogs

  •  
  • Em Inglês

  •  
  • Think Tank

  •  
  • Informação

  •  
  • Magazines

  •  
  • Desporto

  •  
  • Audiovisual

  •  
  • Ferramentas

    Arquivo

    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2009
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2008
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2007
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2006
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D