Domingo, 31 de Maio de 2009

Enquanto isso...

... em Roland Garros, Rafael Nadal acaba de perder o primeiro set na partida contra Soderling por 6-2. Não é um parcial qualquer e demonstra que este ano talvez exista uma hipótese de acabar com a supremacia do espanhol. E, coisa rara, quero parabenizar Dinara Safina. A russa aplicou um expressivo 6-1 / 6-0 a Aravane Rezai, a queixinhas que eliminou Michelle de Brito teve o que merecia.

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 13:58
link do post | comentar
Terça-feira, 26 de Maio de 2009

É desta, Federer?


Tem sido este o principal motivo de interesse relativo a Roland Garros ano após ano. Talvez as hipóteses de vitória para Federer este ano sejam menores que as do ano passado ou ainda pior se comparadas com as hipóteses de há dois anos atrás, mas existem. E a mera existência é suficiente para manter-me interessado no evento masculino. A vitória de Rafael Nadal terá tanto de dejá vu e de desejado para mim, quanto a vitória do FCPorto no campeonato nacional de futebol. E Djokovic só me importa porque, para todos os efeitos, está em rota de colisão com Federer, encontro previsto para as meias-finais do evento.

 

Quanto ao sector feminino, é bom notar o regresso de Maria Sharapova. De Ana Ivanovic espera-se o retorno à melhor forma. Dinara Safina será uma das grandes favoritas à vitória. De Jelena Jankovic não sei o que esperar. Esta não é a superficie de Vénus Williams. E se tivesse que escolher uma favorita seria Serena Williams, mas terra batida também não é o seu forte.

 

E é mais ou menos isto que tenho a dizer por agora. Serão duas semanas para abstrair-me, em parte, de política nacional e outras coisas tais, preso à bolinha amarela que salta de raquete para raquete nas cores acastanhadas da terra batida de Paris. 

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 16:32
link do post | comentar | ver comentários (4)
Segunda-feira, 25 de Maio de 2009

Roland Garros

 

Já sentia falta de um grand slam.

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 18:18
link do post | comentar | ver comentários (3)
Domingo, 17 de Maio de 2009

Guess who's back, back again?

Não foi graças à Sport TV, por qualquer motivo que me escapa decidiu transmitir o jogo em diferido, que acompanhei o Federer vs Nadal no Masters de Madrid em terra batida (além do mais, a comentadora de serviço para ténis da Sport TV consegue transformar um jogo emocionante no melhor remédio contra a insónia). Nadal nunca pareceu em grande momento de forma durante a semana e Federer parece voltar ao seu melhor. 6/4 e 6/4, assunto arrumado para o suiço e primeiro título da época para o agora número dois mundial. Venha Roland Garros.

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 16:46
link do post | comentar | ver comentários (4)
Segunda-feira, 20 de Abril de 2009

Rivalidade

Frederico Gil volta a defrontar Nadal, desta vez em Barcelona

 

É impressão minha ou está aqui a estabelecer-se uma rivalidade ao nível da de McEnroe com Borg? Mais a sério, tenho assistido com muito interesse ao percurso de Frederico Gil, ainda para mais agora que o ténis anda um tantou ou quanto morno no que toca a emoções (isto com o Federer em baixo de forma não é a mesma coisa). Por tudo e mais alguma coisa, ficam aqui os meus parabéns a Frederico Gil pelas exibições recentes. Embora isto me deixe a pensar: no apoio aos nossos no desporto, também estaremos perante nacionalismo da pior espécie?

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 19:28
link do post | comentar | ver comentários (9)
Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2009

Tolerância

 

Shahar Peer, de Israel, é impedida de jogar no Torneio de Dubai

 

Noticias que passam relativamente despercebidas na imprensa nacional.

publicado por Jorge A. às 21:16
link do post | comentar | ver comentários (2)
Domingo, 1 de Fevereiro de 2009

O Momento

Em que Federer chorou:
Secções: ,
publicado por Jorge A. às 19:55
link do post | comentar | ver comentários (4)

Na Terra dos Cangurus XI

 

Foram duas semanas de bons momentos de ténis, de onde no final sairam como vitoriosos os dois melhores tenistas da actualidade, quer mentalmente, quer fisicamente (tecnicamente era outra questão, mas a técnica está longe de ganhar jogos só por sí). No sector feminino não posso deixar de ficar satisfeito com a vitória de Serena Williams, no sector masculino o meu favorito era outro, mas não reconhecer a ascendência do espanhol sobre Federer era escapar-me o essencial. Contudo, e sem servir como desculpa, o turbilhão de emoções que rebentou no choro descontrolado de Federer no discurso feito para o público da Rod Laver Arena explica muito do que têm sido as derrotas do suiço frente ao espanhol. Roger Federer tem-se mostrado incapaz, não de jogar melhor ténis do que Nadal, mas de controlar as suas emoções a cada encontro que faz com este - é, por assim dizer, o próprio Federer que se auto-mutila e inflige a si próprio o resultado final negativo. A questão, a partir deste exacto momento, está em saber o que acontecerá a Federer no futuro. Porque este turbilhão emocional provoca danos e ou Federer liberta-se dele (o choro de hoje, no sentido em que é um assumir em público desse problema, pode ser um bom ponto de partida), ou não me espanta que de um momento para o outro o seu nível de jogo tenha uma quebra acentuada (o choro de hoje também pode ser sinal disso, o quebrar totalmente do ponto de vista emocional). O que é certo é que o Némesis de Federer já não lhe aparece só no pesadelo da terra batida. Mas no que toca ao torneio da terra dos cangurus, o que efectivamente conta é isto:

 

A indiscutível melhor jogadora mundial da actualidade:

 

 

O indiscutível melhor jogador mundial da actualidade:

 

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 13:27
link do post | comentar | ver comentários (4)
Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2009

Na Terra dos Cangurus X

 

Domingo. Oito e meia da manhã. Eurosport. Acaba de ganhar um interesse renovado para a minha pessoa. É que parece que é mesmo assim:

 

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 14:23
link do post | comentar

Na Terra dos Cangurus IX

 

Há uns tempos que estou para escrever este post, porque no ténis as vitória de uns são alicerçadas nas derrotas de outros e pouco ser é mais representante do grupo de derrotados que Andy Roddick. Não que ele seja o que mais perde, longe disso, quem dera muita gente ter no bolso um grand slam como Roddick tem ou chegar às fases finais das grandes competições regularmente como ele chega - afinal de contas estamos a falar de um tipo que a par de Federer apresenta a maior duração de anos no top 10 mundial a cada fim de ano. Mas entre os derrotados, Roddick é o que mais sobressai, e assim é porque toda a sua mediocridade fica revelada perante o parcial negativo de 2 jogos ganhos para 16 perdidos que tem contra Federer. Podia aqui falar no suor do esforço que corre da cara de Roddick a cada humilhação que leva do relógio suiço, sem que em Federer sobressaia a mais pequena pinga de esforço e tudo aparente uma calma natural só ao alcance dos deuses do Olimpo, mas não é só o suor ou falta deste que torna os confrontos entre ambos memoráveis.

 

Memoráveis aqui, entenda-se, do meu ponto de vista, porque a história não tardará em fazer esquecer quem era o opositor de Federer. Mas é ao esquecimento a que Roddick será relegado pela história que está o molho da questão. É que nunca, em momento algum, um jogador como Roddick seria completamente eclipsado como o tem sido nos últimos cinco anos. Foram três finais (duas em Wimbledon e uma no US Open), duas semi-finais (ambas no Australian Open) e uns quartos-de-final (US Open) em que o carrasco teve o mesmo nome. E perante a dureza destes factos, é incompreensível como Roddick ainda não se enfiou num buraco e desapareceu. Pelo contrário, insiste em esforçar-se cada vez mais no campo, sabendo de antemão que quando chega a altura, é massacre que o espera.

 

Recorda-me a obra prima de Milos Forman, Amadeus. Salieri sempre foi um compositor dotado, mas perante o génio de Mozart, até ele foi reduzido à sua mediocridade. Não há melhor analogia para descrever a relação de Federer com Roddick do que a relação entre Mozart e Salieri.

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 14:19
link do post | comentar
Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2009

Na Terra dos Cangurus VIII

 

Passo a passo, como que previamente programado por uma qualquer entidade celestial, o universo tenistico caminha para a normalidade.

 

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 13:34
link do post | comentar | ver comentários (2)
Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2009

It's Me Against the Russians *

 

Para esta preta ainda não estava chegada a altura de desfrutar das belas praias australianas. Que jogadora fantástica!

 

 

* Serena Williams a descrever a próxima fase do Australian Open

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 04:24
link do post | comentar | ver comentários (7)
Terça-feira, 27 de Janeiro de 2009

Terra dos Cangurus VII

 

O meu interesse no sector feminino, com a derrota de Dokic hoje de manhã, fica unicamente associado à presença de Serena Williams na competição. Mas o que mais importa no dia de hoje verificou-se no sector masculino, em primeiro lugar porque tivemos a derrota inesperada de Novak Djokovic por desistência, o que prejudica seriamente o espectáculo, uma vez que o seu opositor que acaba por seguir em frente, Andy Roddick, é um jogador tão banal se lhe retirarmos o serviço que mete dó.

 

Mas, mais importante ainda, espelhado no parcial de 6/3, 6/0 e 6/0 fica a vitória estrondosa de Roger Federer frente ao número seis do ranking mundial, Juan Martin del Potro. Foi há um ano atrás que Federer atingiu as meias-finais deste mesmo torneio já afectado por uma, nessa altura ainda não identificada, mononucleose. Desde aí parece-me consensual assumir que o grande jogador suiço nunca mais apresentou o nível de jogo que o caracterizava anteriormente (apesar de mesmo assim ter atingido a final de Roland Garros, Wimbledon e ganho o US Open). Mas do que tenho visto até agora, e mesmo tendo em conta o confronto com Berdych onde foi obrigado a recorrer aos cinco sets, o relógio suiço parece estar perfeitamente afinado. Parece-me também que Rafael Nadal encontra-se em muito melhor forma neste inicio de época do que foi o normal em todas as épocas anteriores, pelo que no universo tudo conflui para essa final de sonho entre os dois número um mundial. Escuso de dizer por quem torço.

 

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 12:30
link do post | comentar | ver comentários (2)
Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2009

Na Terra dos Cangurus VI

 

Ao fim do dia de hoje, nos courts de ténis australianos, o ar é melhor para respirar. O britânico e mal amado por estas bandas, Andy Murray, foi afastado do Australian Open (a esta hora ainda só imagino o melão da imprensa britânica, mas já vou dar uma vista de olhos pela mesma para sorrir um bocado). O autor da proeza, Fernando Verdasco, que assim em pouco tempo consegue deixar muito boa gente feliz. Isto porque se agora eliminou Murray, ainda há pouco tempo decidiu fazer regressar Ana Ivanovic ao mercado dos solteiros.

 

Parece é que enquanto Verdasco há muito partiu para outra e está melhor do que nunca, Ivanovic anda a curar as mágoas e demora a voltar ao seu melhor. Torna-se assim um imperativo encontrar alguém para preencher o vazio na vida de Ivanovic. Candidatos?

 

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 19:44
link do post | comentar | ver comentários (4)

Na Terra dos Cangurus V

 

As coisas não foram fáceis no inicio da jornada do dia de hoje no grande slam australiano. Começou com a desistência de Gael Monfils e depois, quase que por encomenda da providência, com a desistência de ambas as adversárias de Svetlana Kuznetsova e Serena Williams, cujo destino providenciou encontrarem-se agora nos quartos de final do Australian Open.

 

Mas das desistências, merece especial referência a da adversária da mana Williams, Victoria Azarenka, que contrariando o seu primeiro nome, mas fazendo juz ao segundo, foi obrigada a dar-se como derrotada após problemas respiratórios provocados em parte pelo intenso calor que se faz sentir em Melbourne.

 

A jogadora bielorussa saiu uma primeira vez para receber assistência médica. Mas ao regressar percebia-se que a condição em nada melhorara. A sombra mantinha-se a sua melhor amiga e a cada jogada mais, o cambalear acentuava-se. Desistiu em lágrimas e após insistência de familiares e amigos que estavam nas bancadas. Nunca gostei muito de Azarenka, ontem fiquei a gostar mais um bocadinho. Há poucos desportos onde o individuo tenha de apresentar tanta resistência, quer fisica, quer psicológica, para estar entre os melhores. Há ali um empenho e sacrificio pessoal pouco visto noutras modalidades. Azar para Azarenka, na foto, espero sinceramente melhor sorte para a próxima.

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 08:45
link do post | comentar
Domingo, 25 de Janeiro de 2009

Na Terra dos Cangurus IV

 

Como que para me facilitar a vida, a francesa Marion Bartoli decidiu que era hora de mandar Jelena Jankovic para casa. Bartoli, confesso, é jogadora pela qual não nutro a mais pequena simpatia, embora esteja disposto a dar-lhe o beneficio da dúvida e abrir uma excepção para ser convencido por esta. Mas para já tudo se tornou claro neste quadro. Na parte superior torço por Jelena Dokic e na inferior por Serena Williams. Esta última que em breve ocupará o lugar número um na lista das tenistas que mais dinheiro fez em prémios de jogo. Nada que invalide que a tenista actual que apresenta o valor mais elevado na declaração de rendimentos anual continua a ser esta:

 

 

Por outro lado, no quadro masculino, a única coisa que me interessa é a última linha do mesmo. Aquela que me indica que na madrugada de hoje um checo que não conheço e a quem nunca fiz qualquer mal, esteve para me provocar azia logo ao inicio da manhã. Mas as placas tectónicas do meu mundo tenistico permaneceram imóveis e Federer seguiu em frente.

 

Mas enquanto espero que Jelena Dokic remeta de vez o meu maior pesadelo neste Australian Open, a russa Alisa Kleybanova, para o inferno gelado da Sibéria, parece-me boa hora para recordar a última vitima do monstro russo (e, por essa via, provocar a solidariedade de muitos dos meus leitores para com a qualificação de pesadelo atribuida a Kleybanova):

 

 

 

publicado por Jorge A. às 09:56
link do post | comentar | ver comentários (2)
Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2009

Na Terra dos Cangurus III

 

A australiana Jelena Dokic é um daqueles retornos surpreendentes à ribalta do ténis e um caso sério de popularidade neste Australian Open. Em 2002, a australiana de origem sérvia, chegou a atingir o quarto lugar do ranking mundial, mas divergências com o seu pai e então treinador fizeram a tenista quase desaparecer do circuito mundial. Este ano, a jogadora que está num longinguo 187º lugar do ranking mundial, está a realizar uma sequência de sonho no torneio daquela que é, para todos os efeitos, a sua terra local. Por outro lado, quem não vai ter uma sequência de sonho como a do ano passado é Ana Ivanovic, eliminada infelizmente esta madrugada.

 

Agora que a Ivanovic bem pode ir fazer companhia à Sharapova nas belas praias australianas, este blogue volta a refocar a atenção naquele que é o expoente máximo do século actual da modalidade em causa (que, por sinal, deu hoje excelentes indicações sobre o seu corrente estado de forma no confronto com Safin):

 

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 12:31
link do post | comentar | ver comentários (2)
Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2009

Na Terra dos Cangurus II

 

A nossa correspondente no terreno, a omnipresente e ainda campeã em titulo Maria Sharapova, avisa que até agora na Austrália tem feito mais calor fora do que dentro dos courts. Nada de grandes surpresas ou jogos brilhantes a registar até ao momento, mas a previsão é que as coisas podem melhorar já na manhã de sexta-feira com esse confronto de recordações épicas entre Marat Safin e Roger Federer. Entretanto, é certo que na Austrália passa-se melhor o tempo junto do mar do que da Rod Laver Arena.

 

 

PS: Caro António, é só para avisar que a Daniela Hantuchova, sensibilizada com a sua preferência, está convencida que o mete a gostar de golfe.

 

Adenda: no campo das surpresas, a Venus Williams só para contrariar...

publicado por Jorge A. às 07:35
link do post | comentar | ver comentários (2)
Terça-feira, 20 de Janeiro de 2009

Adidas

 

O António de Almeida procura imaginar o que me leva a preferir Ana Ivanovic face a Jelena Jankovic. Para acabar com as especulações, eu confesso, sempre fui da Adidas desde pequenino, e isto da Anta não me convence (nome, aliás, muito mau para marca desportiva, uma vez que a primeira coisa que me veio à cabeça foi isto).

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 16:39
link do post | comentar | ver comentários (3)
Segunda-feira, 19 de Janeiro de 2009

Na Terra dos Cangurus

 

Já começou o meu torneio favorito da época, o Australian Open. Passados quase 4 meses sem que neste blogue aparecesse uma única palavra dedicada a um dos desportos que mais gosto, é boa altura para voltar à carga. Só para demarcar território, fica logo a declaração de interesses, este blogue torce incondicionalmente no sector masculino pelo senhor que outrora foi rei da modalidade, Roger Federer. Pelo inglês em momento in, Andy Murray, aqui não se nutre simpatia nenhuma. E Nadal e Djokovic não me aquecem, nem arrefecem. É certo, contudo, que o apoio hoje a Federer não se deve tanto ao nível de jogo que outrora evidenciou e que hoje é mera recordação do passado, mas mais ao facto de eu achar que o homem tem um encontro com a história a cumprir.

 

Quanto ao sector feminino, como é normal, parto com um leque mais alargado de tenistas que espero ver no seu melhor. Eu gosto particularmente das sérvias Jelena Jankovic e Ana Ivanovic, embora, recorrendo a factor de desempate que vou deixar à imaginação do leitor, em confronto directo torço normalmente pela Ivanovic. Do lado oposto em relação ao tipo de ténis praticado, mas em igualdade no que toca à qualidade e eficácia do mesmo, gosto sempre quando as coisas correm pelo melhor às manas Williams, especialmente aquele poço de força inesgotável que dá pelo nome de Serena Williams. E tenho pena, muita pena mesmo, que existam jogadoras a ter de ficar pela praia a curar lesões no ombro em vez de estarem no court a passearem a sua classe:

 

 

De resto, ainda agora o torneio começou, quando me voltar a dar na telha (faz muito que queria usar esta expressão), logo escrevo mais qualquer coisa sobre o assunto.

publicado por Jorge A. às 02:33
link do post | comentar | ver comentários (8)
Terça-feira, 9 de Setembro de 2008

FedEx

 

Ora, quem passa por este blogue regularmente sabe que aqui não se esconde a enorme admiração que o autor do blogue tem por Roger Federer. Nesse sentido e a propósito dos comentários do Morais (aqui e aqui), acho por bem explicar em parte porquê que Roger Federer é único.

 

Um dos prazeres de ver jogar Roger Federer é apreciar a classe em movimento. Raramente Federer parece esforçado no que faz e não menos raramente em alguém tão pouco portentoso fisicamente se vê espelhada a ideia de uma parede inexpugnável - nesse sentido Federer é como que uma Serena Williams versão masculina, sem precisar do porte e do aspecto aterrador. Mas o jogo de Federer não só aparenta ser pouco esforçado, como de facto o é. O que há alí é sobretudo uma inteligência acima da média que permite processar serviços, respostas e contra-respostas do adversário a uma velocidade não antes vista, nem imaginada, isto aliado a uma capacidade anormal de diferenciação do próprio jogo com dominio de diferentes pancadas (onde o bom serviço não é para ser esquecido), torna Federer praticamente invencível (é-lhe muito mais fácil dominar os pontos do que ser dominado). Como li recentemente num jornal britânico, Federer atinge um nível de jogo desconhecido a qualquer outro jogador - e o desconhecido, por definição, não pode ser antecipado.

 

Mas todo o herói tem o seu nemesis, e o de Federer é Nadal. Se Nadal é bom? Certamente. Muito bom? Não tenham dúvidas. Tão bom quanto Federer? Objectivamente, nunca. E objectivamente não porque tenha a certeza que Nadal não possa atingir o mesmo número de slams que Federer, mas porque o que permite a Nadal competir com Federer é sobretudo aspectos como a força, a entrega e a velocidade (certo, também tem aquele passing shot fantástico que lixa Federer sempre que este tenta subir à rede, mas enfim...). O jogo de Nadal é, portanto, esforçado - daí a explicação para as lesões que afectam Rafael Nadal com os seus frescos vinte e dois anos face ao praticamente livre de lesões Roger Federer de vinte e sete anos.

 

Mas há uma coisa que ninguém tira a Nadal, se eu hoje não faço aqui o elogio à perfeição de Roger Federer (fico-me pelo quase) e, muito especialmente, não posso referir-me aos seus dois grand slams, tal deve-se ao puto maravilha espanhol e à treta da terra batida. Só isso faz com que toda e qualquer análise minha do espanhol seja deturpada, parcial e irresponsavelmente pouco séria. 

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 21:51
link do post | comentar | ver comentários (2)

O Rugir do Leão

Foi uma final que com o passar do tempo deixará de figurar na memória dos adeptos do ténis. Roger Federer mereceu tanto ganhar quanto Murray mereceu perder. A superioridade do suiço foi tão evidente que dificilmente podiamos suspeitar que estavam em campo o número dois frente ao já certo número quatro do ranking mundial, numa das superficies favoritas de ambos. Entretanto, o que importa destacar é que Federer já leva treze canecos no bolso e está a um de igualar o recorde de Sampras. Importa também destacar que numa época "má" de Federer, este alcançou a semi-final no Australian Open doente com uma mononucleosis, foi à final de Roland Garros e Wimbledon e, para terminar, ganhou o US Open. Os campeões redefinem vezes e vezes sem conta o significado da palavra grandeza, Federer redefiniu para todos os efeitos o significado de uma má temporada - Rafael Nadal, por exemplo, aplicando-se a bitola exigida a Federer, tirando o ano de 2008 foi todo ele "más" épocas.

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 00:06
link do post | comentar | ver comentários (8)
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Mais sobre mim

Contacto

jorgeassuncao@europe.com

Subscrever feeds

Pesquisar neste blog

Links

Arquivos

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Secções

desporto(383)

politica nacional(373)

cinema(291)

economia(191)

música(136)

ténis(132)

humor(131)

futebol(130)

eleições eua(118)

estados unidos(115)

portugal(115)

blogs(109)

miúdas giras(93)

jornalismo(88)

politica internacional(87)

governo(79)

televisão(74)

blogosfera(69)

oscares(68)

pessoal(55)

todas as tags

blogs SAPO