Terça-feira, 26 de Junho de 2007

Wimbledon

Dirão que já sabem do que trata este post. Mas digo-vos sinceramente que tinha começado por fazer um post sobre o Wimbledon F.C., agora renomeado para Milton Keynes Dons F.C. Mas como não me apetecia falar do Milton Keynes, ponderei falar de cinema. Veio-me à cabeça um filme com a Kirsten Dunst e com um tipo que tem a sorte de ter como mulher a Jennifer Connelly - o nome do filme: Wimbledon. Mas como o filme tem como base isto, e isto está a decorrer nos próximos dias, reconsiderei. Portanto, digo caro leitor, primeiro ponderei falar de futebol, depois de cinema, e só agora, em última instância, viro-me para o ténis.


Tudo começa nos courts do All England Lawn Tennis and Croquet Club. São nestes courts que o torneio mais mitico de toda a época tenistica se joga. A relva apresenta características únicas e assusta - não é para todos. Os mais aptos para a modalidade afinam as raquetes, e só os mais fortes triunfam. A malta vem habituada aos courts castanhos avermelhados, e agora, a transição para o verde, custa e não se faz sem dor. As raquetes passam a pistolas e as bolas passam a balas. Foi nos courts luminosos de Wimbledon que Pistol Pete deixou a sua marca. Por sorte ou azar, a chuva faz parte do torneio, e o torneio não passa sem chuva... os jogadores e o público é que passavam bem sem ela... ou talvez não - o ténis não foi feito para ser jogado na areia da praia, ao sol, e as jogadoras não foram feitas para andarem a jogar de bikini. Tudo é relativo, excepto a grandeza do torneio.

O tenista é como um artista. Quando ainda nem sequer serviu, o melhor tenista já imaginou toda aquela jogada que se seguirá. Ainda a bola não passou para o campo do adversário e já a próxima raquetada está prevista, imaginada ao mais infimo pormenor. Se por mero acaso, do outro lado também estiver outro artista, o grande artista inova e surpreende.

Há quem desanime. E quem se irrite. Nem uma, nem outra, são boas conselheiras.

O melhor é levar aquilo na desportiva e com alguma graciosidade. Se a coisa corre mal para o adversário, é preciso ter algum fair play.

No fim de contas, o ténis é como a vida. Nada melhor do que encará-lo com um sorriso.

Nos momentos decisivos, cerrar o punho e concentração máxima.
Se necessário, a temperatura estiver elevada, e for preciso alguma irritação... joguem-na para cima do árbitro - não esquecer é a reacção do público a tais fenómenos.


Cada um dar o seu melhor é o que se exige. Suar a camisola. Se necessário for, comer a relva.


E no fim, mesmo no fim, só dois é que serão campeões:














PS: por razões várias, neste torneio estou pela menina do bikini, e pelo tipo que numa das últimas fotografias parece estar a chorar.

PS2: por mais razões várias, este post pode ter problemas de visualização. Sorry. ;)
publicado por Jorge A. às 21:47
link do post | comentar
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Mais sobre mim

Contacto

jorgeassuncao@europe.com

Subscrever feeds

Pesquisar neste blog

Links

Arquivos

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Secções

desporto(383)

politica nacional(373)

cinema(291)

economia(191)

música(136)

ténis(132)

humor(131)

futebol(130)

eleições eua(118)

estados unidos(115)

portugal(115)

blogs(109)

miúdas giras(93)

jornalismo(88)

politica internacional(87)

governo(79)

televisão(74)

blogosfera(69)

oscares(68)

pessoal(55)

todas as tags

blogs SAPO