Segunda-feira, 31 de Agosto de 2009

Japão

A ideia subjacente neste post do Manuel Gouveia importa ser discutida. Diz ele que "os japoneses optam pela via do socialismo", será mesmo assim? Parecem ter optado por um governo com maior preocupação social, é certo, mas até que ponto optaram os japoneses por algo verdadeiramente diferente do que tinham?

 

Na notícia do Público é dito alguma coisas importante sobre o assunto. 1) Os japoneses parecem simultaneamente decididos e cépticos. A grande maioria deseja uma "mudança de regime", mas apenas 24 por cento acreditam nela, contra 56 que manifestam cepticismo: não sabem aonde um governo do PDJ irá buscar fundos para financiar as políticas sociais. O que traduzido por mim dará qualquer coisa como: se o PDJ tentar mudar muito, os japoneses cortam-lhe as pernas. É isso que denota o receio com o dinheiro gasto. Se quiserem, é parecido com a falta de apoio dos americano à reforma na área da saúde de Obama. É o velho lema do 'mudar para tudo ficar na mesma'. 2) Para "rejuvenescer a política", o PDJ lançou um grande número de candidatos jovens contra os veteranos do PLD. Mas os líderes que encarnam a mudança vêm da velha escola do PLD. O PDJ é um partido recente, com pouco mais de 13 anos de existência, e parte dos seus quadros deriva do próprio PLD, dúvido que venha daqui grande mudança. 3) Para alguns analistas, mais do que uma vaga de entusiasmo pelo PDJ, há a vontade de punir o PLD. Não me admira que assim seja, e acho que os japoneses nisso fazem bem. Dificilmente um partido que está há 54 anos no poder não criou tentáculos pela sociedade japonesa. Mas isso para mim diz muito mais sobre a necessidade que os japoneses revelaram por substituir as caras e os interesses, do que por substituir as ideias típicas do PLD. 4) "Alguns japoneses comparam o colapso do PLD à queda do Muro de Berlim", escrevia em Junho de 1993 o correspondente da Economist no Japão, após uma cisão do partido, que levou a um interregno de 10 meses, o único período em que os liberais-democratas não governaram. Foi assim que terminou em 1993, o PLD só esteve afastado do poder durante 10 meses. Desta vez deverá demorar mais tempo, mas não me admira nada que nas próximas eleições, caso façam uma renovação de caras, voltem ao poder. 5) A ascensão do PDJ é indissociável da ruptura do contrato social e do modelo paternalista que acompanharam o "milagre económico". Ou seja, os japoneses estão descontentes porque a sociedade mudou. Infelizmente, o modelo paternalista desapareceu porque não era sustentável. Mas isto demonstra o quanto a sociedade japonesa é conservadora e dificilmente aceitará qualquer mudança radical. Resumindo, aquilo que alguns denominam por mudança é, afinal, uma última tentativa dos japoneses para nada mudar.

 

Basicamente, a minha ideia sobre o que se passa no Japão é que o PDJ será tão diferente do PLD quanto o PS é diferente do PSD. Ou seja, não existirão grandes diferenças. Uma sociedade que andou durante 54 anos a votar no mesmo partido e nas mesmas ideias revela um conservadorismo acentuado que não muda de um dia para o outro. Claro que esse conservadorismo também ajudou a paralizar o Japão durante a década de noventa, quando o país necessitava de reformas e os líderes do PLD mostraram-se incapazes de as realizar. Apesar disso, e tirando aquele período de dez meses, os japoneses continuaram a votar nestes, em boa parte numa demonstração de gratidão por um partido que havia pegado num Japão devastado pela guerra e transformou-o na segunda maior economia mundial.

publicado por Jorge Assunção às 15:47
link do post | comentar
3 comentários:
De manuel gouveia a 31 de Agosto de 2009 às 20:17
O mundo visto pela janela de um jornal! O que lá cabe?

Os Japoneses perceberam que tinham de ser japoneses e que isso sempre significou um respeito pelos seus valores tradicionais. Aos quais o capitalismo é perfeitamente alheio.

Nos seus valores tradicionais conjuga-se o verbo solidariedade e não tanto o do lucro. Não será seguramente a via do socialismo, mas não custa nada assustar os incautos que acreditam que o homem e a sua dignidade se podem sacrificar ao lucro.
De Daniel João Santos a 31 de Agosto de 2009 às 23:09
Esqueceste do comentário a :

" Na área económica, o PDJ defende uma mudança de rumo, deixando de jogar apenas no crescimento das exportações e dando prioridade à procura interna, às políticas sociais e a uma reforma fiscal favorável às pequenas empresas. "
De Jorge Assunção a 31 de Agosto de 2009 às 23:39
Não me esqueci, ao longo de todos os pontos explico porquê que a "mudança de rumo" é só retórica. Ou não notas, a começar por Portugal, que a diferença entre o que o PS e o PSD dizem é muito maior do que a diferença entre o que o PS e o PSD fazem.

Comentar post

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Mais sobre mim

Contacto

jorgeassuncao@europe.com

Subscrever feeds

Pesquisar neste blog

Links

Arquivos

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Secções

desporto(383)

politica nacional(373)

cinema(291)

economia(191)

música(136)

ténis(132)

humor(131)

futebol(130)

eleições eua(118)

estados unidos(115)

portugal(115)

blogs(109)

miúdas giras(93)

jornalismo(88)

politica internacional(87)

governo(79)

televisão(74)

blogosfera(69)

oscares(68)

pessoal(55)

todas as tags

blogs SAPO