10 comentários:
De Daniel João Santos a 1 de Julho de 2009 às 22:49
vai ser bastante interessante.
De António de Almeida a 1 de Julho de 2009 às 23:07
Tenho andado com bastante trabalho, e não tenho acompanhado, Djokovic ainda está em prova? Existe algum outsider que valha a pena ter em atenção?
De Jorge Assunção a 2 de Julho de 2009 às 00:44
Djokovic despediu-se hoje frente a Haas. O alemão que fazia parte dos personagens do velhinho Virtua Tennis. Com esta é a segunda vitória consecutiva sobre o puto (cada vez menos) maravilha sérvio. Haas está a jogar bem, como já o havia feito em Roland Garros, mas Federer em bom nível não deve ter dificuldade em alcançar a final. Do outro lado é o Murray contra o Roddick. Como digo, seria um prazer ver Murray perder, mas também sei que se é Roddick quem vai à final contra Federer (assumindo que o suíço ganha ao alemão) acabou a emoção de Wimbledon: é vitória para o suíço sem qualquer dúvida. Por isso até é bom que Murray já que chegou às meias, vá à final.

No circuito feminino, se tudo correr pelo melhor, temos as irmãs Williams na final. Ou seja, mais um Wimbledon sem grande interesse.
De Ana Gabriela A. S. Fernandes a 2 de Julho de 2009 às 00:32
Ó Jorge, isso diz-se do Andy Murray? Que mauzinho...
E se por um acaso o rapazinho conseguisse a proeza de ganhar?
De Jorge Assunção a 2 de Julho de 2009 às 00:47
Dava o braço a torcer. Mas no campo desportivo, as reacções de desilusão da imprensa britânica para com os seus desportistas é um dos meus guilty pleasures, Ana.
De Ana Gabriela A. S. Fernandes a 2 de Julho de 2009 às 08:58
Naughty boy, Jorge! E injusto, ainda por cima! Vi no "eurosport" vários ingleses a ser entrevistados à saída do estádio (e que lindíssimo estádio aquele!) e a maioria queria que ganhasse o Federer, pois merecia, mas que o Andy vai ganhar das próximas vezes... Eu até nem queria acreditar... Pelos vistos, o Federer é mesmo reconhecido pelo seu talento único. Estás a ver? O verdadeiro talento, mesmo no desporto, acaba por ser reconhecido pelo cidadão comum.
De Jorge Assunção a 2 de Julho de 2009 às 09:26
"e a maioria queria que ganhasse o Federer"

Isso porque lembram-se do Murray afirmar que no futebol podia ganhar qualquer equipa que não a Inglaterra. Desse ponto de vista, ele até tem alguma coisa em comum comigo. Como bom escocês, acho que o seu filme favorito é mesmo o Braveheart. :)

"O verdadeiro talento, mesmo no desporto, acaba por ser reconhecido pelo cidadão comum."

É verdade.
De Ana Gabriela A. S. Fernandes a 3 de Julho de 2009 às 19:41
Ó Jorge, e não é que o Murray nem sequer vai à final?
Estou um pouco inconsolável... E logo em Winbledon...
Bem, fica para a próxima!
De Jorge A. a 4 de Julho de 2009 às 11:04
Ana,

não posso dizer que não fosse algo esperado. Mas Murray, mais cedo ou mais tarde, no pressuposto que continuará a trabalhar no duro, irá ganhar qualquer coisa de importante. Não devem é, nesta fase da carreira, fazer dele algo mais do que é, mesmo porque arriscam-se a colocar demasiada pressão sobre os seus ombros e com isso prejudicam o próprio jogador.
De Ana Gabriela A. S. Fernandes a 4 de Julho de 2009 às 11:34
Ah, já percebi! Não tinha pensado nesse efeito perverso de expectativas demasiado elevadas na carreira do jogador. Tens toda a razão.
Mas até os ingleses têm sido discretos nessa "pressão" em Winbledon. Por um lado gostam do Federer, por outro, talvez saibam esperar, o que é muito sábio.
No meu caso, gostava de o ver ganhar ao Rodick, mas a verdade é que ontem o Rodick jogou como nunca o vi jogar: concentrado, mais discreto, estratega, articuladinho.
Mas, claro, não sou especialista. Gosto é de acompanhar a evolução de alguns talentos de áreas diversas.

Comentar post