26 comentários:
De manuel gouveia a 18 de Junho de 2009 às 12:17
A tua dificuldade de análise resulta da percepção errada que a produtividade é função inversa do ordenado. Quando eu já te expliquei que um caixa de um supermercado ganha o dobro em Espanha e nem por isso o Belmiro perde dinheiro!

A TAP tem agora uma marca branca, onde as tripulações de cabine ganham 500€ e no voos com início e fim em Lisboa, não dão direito a ajuda de custo... é bom para a TAp no imediato ...
De Jorge Assunção a 18 de Junho de 2009 às 19:23
Não há aqui nenhuma dificuldade de análise, a BA paga o dobro a um funcionário de cabine do que paga a Virgin Atlantic. Isso explica em boa parte o porquê que a BA teve prejuízo, enquanto a Virgin Atlantic teve lucro:
http://pt.euronews.net/2009/05/26/lucros-da-virgin-atlantic-duplicam/
http://pt.euronews.net/2009/05/22/british-airways-com-prejuizo-historico/

Mas já percebi que o Manuel defende o modelo da British Airways.

E sobre a nossa TAP também não há muito a dizer, uma vez que é prejuízo atrás de prejuízo.
http://tv1.rtp.pt/noticias/?t=Grupo-TAP-com-prejuizos-acima-dos-300-milhoes-de-euros.rtp&article=216468&visual=3&layout=10&tm=6
De manuel gouveia a 18 de Junho de 2009 às 20:10
A solução passa sempre por explorar os empregados! Mas os empregados são pessoas e as pessoas fazem parte da vida! Eu sei que isso é uma realidade terrível!

Eu sei que a solução passaria pela escravatura, por ir a África apanhar novamente os pretos e colocá-los a trabalhar como funcionários de cabine, apenas por uma taça de farinha de mandioca por dia... Sim isso seria o paraíso!
De Jorge Assunção a 18 de Junho de 2009 às 21:06
Não. A solução passa por ter uma actividade rentável de negócios que sustente os salários que pagam. É com prejuízos aquilo que é um salário bom, rapidamente torna-se em salário nenhum. Salvo se o Estado, lá está, achar por bem sacar ao contribuinte.
De manuel gouveia a 18 de Junho de 2009 às 21:14
Repara, para ti tudo se resume aos chorudos ordenados que os gulosos dos empregados auferem. Esqueces-te que a Virgin só opera nas rotas mais lucrativas, enquanto a British tem que assegurar todas as rotas, incluindo as Maldivas! A Virgin operando apenas no que dá lucro paga aos empregados pela metade! Mas se para ti a sociedade se baseia numa relação de exploração do homem pelo homem, recomendo-te alguns paraísos: Somália, China, etc..
De Jorge Assunção a 18 de Junho de 2009 às 21:21
"Esqueces-te que a Virgin só opera nas rotas mais lucrativas, enquanto a British tem que assegurar todas as rotas, incluindo as Maldivas!"

Sim, é isso mesmo que explica que pague aos seus funcionários o dobro. O mesmo acontece em Portugal com a TAP, o problema é que esse tipo de rotas devia ser subsidiado directamente pelo o Estado, mas a rota devia estar aberta a todas as operadoras. O que os Estados fazem é privilegiar um conjunto de gigantes nacionais que são autênticos gastadores de dinheiro público.

"Mas se para ti a sociedade se baseia numa relação de exploração do homem pelo homem"

Não, para mim o marxismo é uma farsa. Tal como o Manuel só usa essas frases muito bonitas, mas sem grande sentido face à realidade existente.
De manuel gouveia a 18 de Junho de 2009 às 21:25
Tu ainda não conheces a realidade existente. Ela está só a começar... e é aos mais jovens que ela vai sair mais cara.
De Jorge A. a 18 de Junho de 2009 às 21:53
Não, Manuel. A realidade vai ser cara aos jovens porque Portugal vai continuar a empobrecer. Mas é exactamente porque tanta e tanta gente continua a acreditar no que o Manuel acredita. Este Portugal feito por socialistas e sociais-democratas é a prova viva de que o que o Manuel defende não resulta. O Manuel, em vez de perceber isso, defende ainda mais do mesmo: em doses ainda mais exageradas.
De manuel gouveia a 18 de Junho de 2009 às 22:02
Pensa um pouco: porque é que todos os paises ricos pagam melhores ordenados? Isso conduzi-los-ia rapidamente a ficarem pobres, inevitavelmente.

Porque é que nós pagando os ordenados mais baixos da europa não estamos a crescer? Não devíamos ser muito mais competitivos?

Ora acontece que tu queres encontrar uma solução para um futuro melhor, e julgas que o "socialismo" que nunca existiu em Portugal, é o mal dos males e a solução passa por o erradicar! Quando o que tu tens que erradicar é este patronato e gestores e substituí-los por outros mais esclarecidos e mais competentes. Nem que para isso os tenhas que ir buscar ao estrangeiro.
De Jorge A. a 18 de Junho de 2009 às 22:06
"porque é que todos os paises ricos pagam melhores ordenados?"

Porque produzem coisas com valor acrescentado. Coisa que nós não conseguimos. Quanto muito afirmamos que inventamos o Magalhães quando toda a gente sabe que aquilo são componentes maioritariamente vindos de fora e a ideia nunca foi nossa.

"Porque é que nós pagando os ordenados mais baixos da europa não estamos a crescer?"

Isso é mentira. No leste há quem pague mais baixo do que nós para maior produtividade. Isso é que tem sido a nossa morte. É a chamada falta de competitividade.

"julgas que o "socialismo" que nunca existiu em Portugal, é o mal dos males e a solução passa por o erradicar"

Não sei se já existiu ou não existiu. Sei é que, por exemplo, no mercado de trabalho temos dos mercados de trabalho mais inflexiveis da europa e ninguém parece disposto a mudar isso.
De manuel gouveia a 18 de Junho de 2009 às 22:11
Desculpa mas isso não é verdade! Uma batata é uma batata. Um litro de leite é um litro de leite.

Em Espanha a caixa que o vende, ganha o dobro da caixa portuguesa e o valor acrescentado é o mesmo, o mesmo. Desculpa que te diga mas andam-te a enganar com essa história!

Lavar as estradas em Nova Iorque ou em Lisboa tem o mesmo valor acrescentado!
De Jorge Assunção a 18 de Junho de 2009 às 22:18
"Lavar as estradas em Nova Iorque ou em Lisboa tem o mesmo valor acrescentado!"

Nas estradas de Nova Iorque circulam os que inventaram o Magalhães, nas estradas de Portugal circulam os que montam os Magalhães. Dado que os primeiros são relativamente mais ricos, os primeiros podem pagar mais a quem lhes lava a estrada.
De manuel gouveia a 18 de Junho de 2009 às 22:28
Então não tem nada a ver com o valor acrescentado! Finalmente estamos de acordo! Boa! Que eu precisava de ir dormir e estava a ver que não acertava uma!
De Livia Borges a 18 de Junho de 2009 às 16:11
A tua análise peca por desconhecimento.
Primeiro, aviões recentes versus aviões antigos, significa que os mais recentes têm menos probabilidades de ter acidentes porque são mais novos?
Aconselho-te umas conversas de pé de orelha com dois mocinhos que até percebem de aviões e de companhias aéreas e de funcionamento dos dois - e tu sabes quem são os mocinhos...
De Jorge Assunção a 18 de Junho de 2009 às 19:05
"Primeiro, aviões recentes versus aviões antigos, significa que os mais recentes têm menos probabilidades de ter acidentes porque são mais novos?"

http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,149260,00.html

"Industry executives and many other experts counter that a plane's age can be almost irrelevant to its safety."

Repara na expressão utilizada: "quase irrelevante". O que significa que não é irrelevante. E "many other experts", não todos os peritos. Contudo, reconhecem que um avião mais velho necessita de mais manutenção - maior custo, portanto. De resto, é interessante pensar, por exemplo, no motivo pelo qual o avião da Air France terá caído. Vamos supor que foi culpa dos censores de que tanto se fala (e que, pelos vistos, algum pessoal da Air France levou a sério tal hipótese, basta atentar às exigências que fizeram à companhia), o que está em causa? Que sensores mais antigos não eram tão eficazes quanto os sensores com tecnologia mais recente. Claro que, haverá sempre alguém disposto a dizer que o problema aqui não é o da idade em si, mas o da substituição dos sensores não ter sido realizada imediatamente.
De Miguel Borges a 18 de Junho de 2009 às 22:45
Deixa-te ficar pela politica Jorge, por favor...
De Jorge Assunção a 18 de Junho de 2009 às 23:12
Eu fico-me pela política quando me explicares Miguel se o avião não tem um ciclo de vida e se o avião não sofre fadiga.

http://en.wikipedia.org/wiki/Aloha_Airlines_Flight_243

E mais isto:
http://www.redorbit.com/news/politics/474353/us_proposes_age_limits_for_commercial_aircraft/

"U.S. aviation regulators proposed for the first time on Tuesday operating limits for commercial aircraft to help avoid the most serious age-related metal fatigue cracks and other damage."

Mas claro que eu não sou especialista.
De Livia Borges a 19 de Junho de 2009 às 10:39
Um avião cai até por falta de um parafuso em condições! E o parafuso tanto pode estar num avião com um ano, como num avião com trinta anos!
Tudo depende da manutenção da aeronave.
De Miguel Borges a 19 de Junho de 2009 às 22:25
Não, não és um especialista ou melhor és um especialista, a ler artigos Norte Americanos e a ler estatisticas, e como sabes elas dizem-te que o erro humano é o principal factor dos acidentes aeronáuticos e a tendência geral de comparar um avíão a um carro é completamente errada um avião de 20 anos de idade não é necessariamente velho , todos os seus sistemas são renovados ao longo dos anos e a sua manutenção é muito restrita ao ponto de saberes quem apertou o parafuso nº32 de um qualquer componente estrutural da aeronave e mais,a força em dinamómetros que se aplicou a esse mesmo parafuso e mais, quem o apertou, e tu já abriste o capot do carro para ver o óleo? aconselho-te a consultar a estatistica de acidentes provocados por quem não o faz. Tens razão tudo tem um ciclo de vida inclusive a tua maneira usual de pensar e de te colocares perante quase tudo.Pergunta ao teu tio que teve uma vida a fazer com que os aviôes da TAP não caissem, talvez te ajude mais do que .... ;-)
De Daniel João Santos a 18 de Junho de 2009 às 19:56
Eu vou mais longe, desconfio deles todos.

Depois da queda do avião, agora um piloto morre no ar. Diga-se que 61 anos é demais para um piloto.
De manuel gouveia a 18 de Junho de 2009 às 21:27
Reformado e contratado a uma empresa de trabalho temporário contornando os testes médicos da empresa. Acontece também com todos os charters. O que caiu em Faro o comandante tinha 65 anos.
De António de Almeida a 18 de Junho de 2009 às 23:09
Depois da queda do avião, agora um piloto morre no ar. Diga-se que 61 anos é demais para um piloto.

-Daniel, tens a certeza que existe maior probabilidade de morte súbita após os 60 anos? Ontem morreu o maestro José Calvário, após ter sofrido um enfarte aos 58 anos. Nem vale a pena falar nos jogadores de futebol, Pavão, Feher etc...
De Jorge A. a 19 de Junho de 2009 às 12:23
"Diga-se que 61 anos é demais para um piloto."

http://www.leftseat.com/age60.htm

Existe controvérsia no caso. Como o link indica, recentemente nos EUA, a idade máxima foi aumentada dos 60 para os 65 anos.
De Ana Campos a 19 de Junho de 2009 às 10:51
Como tenho muito medo de andar de avião desconfio de todas as companhias.
Depois de casa arrombada trancas à porta, é assim como funciona o mundo em que vivemos.
Para as companhias aéreas a preocupação começa até cair um avião deles, porque até lá é só facturar.
Depois cai no esquecimento até caír o próximo, até lá boa sorte.
De Jorge A. a 19 de Junho de 2009 às 12:39
"Como tenho muito medo de andar de avião desconfio de todas as companhias."

"Para as companhias aéreas a preocupação começa até cair um avião deles, porque até lá é só facturar."

É por muita gente desconfiar que talvez se justifique que no que à segurança diz respeito, as companhias aéreas tenham particularmente atenção à mesma (nesse aspecto, não acho que a preocupação só comece quando um avião cai). E, no fim, o avião acaba por ser o meio de transporte mais seguro do mundo. :)
De Livia Borges a 21 de Junho de 2009 às 13:33
A Ana Campos é um bocadinho estúpida...

Comentar post