6 comentários:
De Ana Gabriela A. S. Fernandes a 5 de Junho de 2009 às 21:05
Jorge, também estamos a torcer por ele!
A minha irmã Margarida, especialista de torneios com a linguagem técnica que não descodifico, diz que talvez "o jogo elegante" de Federer comece a não ser suficiente para vencer o jogo de "torpedo" dos jogadores que aí vêm... Será?
Gostei muito deste post! Vê-se que estás inspirado!
De Jorge Assunção a 6 de Junho de 2009 às 12:21
"diz que talvez "o jogo elegante" de Federer comece a não ser suficiente para vencer o jogo de "torpedo" dos jogadores que aí vêm... Será?"

É "o jogo elegante" que permite que o cansaço seja menor - o jogo de pés de Federer parece mais que está num bailado que num jogo de ténis. :)

Quanto ao "torpedo" dos jogadores que aí vêm, é certo que as "contramedidas" de Federer já não estão no seu melhor. Mas quando aliava "o jogo elegante" à condição fisica de um jovem, não havia "torpedo" que o parasse.
De Miguel a 5 de Junho de 2009 às 22:29
Jorge há ainda outra coisa que ninguém fala mas é um dado interessante e que dá para ver bem a GRANDEZA do Federer.

Com a meia final de hoje, já vai em 20 SEMI-FINAIS CONSECUTIVAS de GRAND SLAMS, ou seja, desde Roland Garros em 2004 em que foi eliminado na 3ª eliminatória que no minimo dos minimos ele chegou sempre a uma meia final de um grand slam.

Para não falar que nos últimos 16 Grand Slams disputados apenas por uma vez não foi à final (australia open em 2008), ou seja 15 em 16.

Se ganhar Domingo seria fantástico igualar Pete Pistol no torneio que o Sampras nunca ganhou e depois em Wimbledon dar a estocada final e passar de vez para a frente precisamente no torneio favorito do Pete Sampras, seria o culminar em beleza desta fabulosa história que eu acredito que ainda vai durar mais uns anos, é certo que cada vez vai ganhar menos vezes mas vai continuar a ganhar, disso não tenho duvidas.
De Jorge Assunção a 6 de Junho de 2009 às 12:26
Caro Miguel,

essas 20 meias-finais consecutivas são um óptimo exemplo da demonstração da frescura de Federer. Para ir buscar um caso paradigmático ao outro sector, o feminino, basta pensar em Sharapova: no seu melhor, esta é quase imparável, porquê que tem só 3 grand slams? Porque o jogo extremamente físico leva-a a contrair variadas lesões (da mesma forma que Nadal tem problemas constantes com os seus joelhos). É a regularidade que torna Federer um jogador tão melhor do que qualquer outro que até agora existiu.

"é certo que cada vez vai ganhar menos vezes mas vai continuar a ganhar, disso não tenho duvidas."

Também acredito que dure mais algum tempo.
De Daniel João Santos a 5 de Junho de 2009 às 23:02
Finalmente algo de relevante que se vai passar no Domingo.
De Jorge Assunção a 6 de Junho de 2009 às 12:27
Eheheh. Pois é, Daniel.

Comentar post