Sábado, 4 de Abril de 2009

O único totalitarismo condenável é o da extrema-direita

A Resolução do Parlamento Europeu, de 2 de Abril de 2009, sobre a consciência europeia e o totalitarismo, infelizmente não contou com o voto de apoio dos dois deputados europeus eleitos pela CDU. O deputado europeu Pedro Guerreiro, na sua declaração de voto, afirma que o relatório "pretendeu branquear o nazi-fascismo e condenar o comunismo" e teve como objectivo "apagar o contributo decisivo dos comunistas e da União Soviética para a derrota do nazi-fascismo". Se alguém tenta branquear alguma coisa não é o relatório em causa, em que nada do que é dito é mentira, mas sim o senhor deputado europeu: tenta branquear os crimes do regime soviético.

 

Publicado no Eleições 2009.

publicado por Jorge A. às 11:25
link do post | comentar
12 comentários:
De António de Almeida a 4 de Abril de 2009 às 13:59
Obviamente que os dois regimes não passavam dum espelho, por sinal bem parecidos na sua essência, aquilo que apelidam de nazi-fascismo na realidade auto-intitulava-se nacional-socialismo, e a palavra socialismo não foi de forma alguma escolhida ao acaso, do recrutamento obrigatório, à mobilização do país no esforço de militarização e posterior guerra, passando por expropriações, desrespeito pela liberdade e pela iniciativa privada, com a economia planificada ao serviço do Estado, estavam lá várias práticas que a cartilha socialista defende...
De Jorge Assunção a 4 de Abril de 2009 às 19:43
António, exactamente. Nazi é uma abreviação da expressão nacional-socialismo. E são ambas ideologias colectivistas, disso não há dúvidas.
De manuel gouveia a 4 de Abril de 2009 às 16:46
Que existe um olhar romântico sobre os regimes fascistas do sul da europa, lá isso existe!
De António de Almeida a 4 de Abril de 2009 às 19:36
Regimes fascistas do sul da Europa, apenas existiu um, o de Mussolini. Os fascistas portugueses, liderados por Rolão Preto foram reprimidos por Salazar, que era um ditador, mas não um caudilho como Franco, e menos ainda como Mussolini. Convém não colocar tudo no mesmo saco.
De manuel gouveia a 4 de Abril de 2009 às 20:30
É o que eu digo, Salazar na sua essência era de esquerda. E isso estava impresso na sua visão do papel da mulher na sociedade, na sua concepção do império, no papel reservado ao povo, de pobre e submisso, etc...

Mas tudo subordinado ao gosto espartano do chefe, desde a propaganda de António Ferro, às obras de Duarte Pacheco e à capacidade mobilizadora de Rolão Preto. A todos eles lhes aparou as asas em momentos oportunos.

Ou seja quase um decalque de Mussolini, mas mais tosco e primitivo! O resto é brincar com as palavras.
De Jorge Assunção a 4 de Abril de 2009 às 21:51
"É o que eu digo, Salazar na sua essência era de esquerda."

Manuel, é por essas e por outras que detesto a divisão entre esquerda e direita (se ficarmos por uma divisão de um só eixo eu prefiro, sinceramente, dividir entre os que defendem a liberdade e os que não a defendem, nesse sentido, comunismo e fascismo estão igualmente afastados daquilo que é o meu posicionamento político). De resto, eu no comentário anterior disse que subscrevia as palavras do António referente aos regimes fascistas, mas talvez seja preferível explicar melhor. A palavra fascismo pode ser aplicada ao regime português do Estado Novo, mas no grau variava bastante do regime fascista original de Mussolini (dos 4 regimes já referidos, o português foi certamente o mais suave). Com as palavras não se brinca, mas devem ser cuidadosamente usadas. De resto, isso nem está em causa na resolução do PE, porque nesta isso está perfeitamente identificado (a pedido do Partido Socialista Europeu):

"Considerando que o processo de integração europeia é um êxito, na medida em que permitiu a construção de uma União Europeia que abarca hoje os países da Europa Central e Oriental que viveram sob regimes comunistas desde o final da Segunda Guerra Mundial até ao início dos anos 1990, e que as anteriores adesões da Grécia, da Espanha e de Portugal, que sofreram com regimes fascistas de longa duração, contribuíram para garantir a democracia no Sul da Europa"
De manuel gouveia a 5 de Abril de 2009 às 00:14
Nós nunca levamos as coisas muito a sério, nem mesmo a dos regime. O mais natural é que readaptássemos de forma branda o fascismo de Mussolini...

Ideologicamente também somos assim, tão longe de compromissos, que por vezes se esbatem nas conveniências pessoais, que sou levado a concordar que em Portugal dificilmente se traçará uma linha divisória entre a direita e a esquerda. No extremo reside mais estupidez que outra coisa qualquer...
De Jorge Assunção a 4 de Abril de 2009 às 19:46
Existe Manuel? Garanto-lhe que não seria preciso grande trabalho de pesquisa para verificar que é bem mais abrangente a existência de um olhar romântico sobre os regimes comunistas do leste da europa. E esses são bem mais preocupantes.

De resto, quanto à designação de regimes fascistas, subscrevo o comentário do António de Almeida.
De manuel gouveia a 4 de Abril de 2009 às 20:34
A série da SIC, que nos apresentou um Salazar alto e conquistador com um charme irresistível, talvez não seja o melhor exemplo... mas esta ideia do não fascismo português, embora interessante, nunca funcionará como lavagem do regime.
De Jorge Assunção a 4 de Abril de 2009 às 21:55
"mas esta ideia do não fascismo português, embora interessante, nunca funcionará como lavagem do regime."

Mas qual lavagem do regime? Acha que eu estou a fazer uma lavagem do regime? Por favor. Já agora, qual é a sua posição para com o comunismo enquanto ideologia? Espero que não esteja entre aqueles que pretendem fazer a lavagem do regime comunista soviético, que por terras lusitanas é olhado de forma romântica por um partido que tem cerca de 10% dos votos. E garanto-lhe, Salazar perto de Estaline era um rapazinho bem comportado.
De manuel gouveia a 5 de Abril de 2009 às 00:19
Em matéria de lavagens condeno tanto umas como outras. Reconheço que Salazar é um menino bem comportado quando comparado com Estaline, mas não o subestime , nunca lhe deram oportunidade para tanto... (esta afirmação final é uma picardia)
De Daniel João Santos a 4 de Abril de 2009 às 22:50
Continua a saga do PCP rumo ao passado.

Comentar post

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Mais sobre mim

Contacto

jorgeassuncao@europe.com

Subscrever feeds

Pesquisar neste blog

Links

Arquivos

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Secções

desporto(383)

politica nacional(373)

cinema(291)

economia(191)

música(136)

ténis(132)

humor(131)

futebol(130)

eleições eua(118)

estados unidos(115)

portugal(115)

blogs(109)

miúdas giras(93)

jornalismo(88)

politica internacional(87)

governo(79)

televisão(74)

blogosfera(69)

oscares(68)

pessoal(55)

todas as tags

blogs SAPO