Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Despertar da Mente

"Democracy and socialism have nothing in common but one word, equality. But notice the difference: while democracy seeks equality in liberty, socialism seeks equality in restraint and servitude." Alexis de Tocqueville

"Democracy and socialism have nothing in common but one word, equality. But notice the difference: while democracy seeks equality in liberty, socialism seeks equality in restraint and servitude." Alexis de Tocqueville

Despertar da Mente

06
Dez08

Culpa

Jorge A.

A propósito da crise financeira não há gente que apareça na televisão, da esquerda à direita, que não venha com a treta que a crise prova que os fundamentalistas do mercado estavam errados, que o neo-liberalismo morreu, e coisa e tal. Eu acho particularmente engraçada a coisa. Olhemos por exemplo para o caso português, digam-me um, um só politico português cuja escola de pensamento económica fosse liberal? Um só ministro das Finanças cujo fundamento da governação fosse o laissez-faire? Não há. A coisa chega a atingir contornos ridiculos quando alguns lideres fazem de conta que o poder não foi seu nos últimos anos e vão agora, qual dom quixote, resgatar a economia das malhas do neo-liberalismo e impôr uma nova ordem mundial - exemplo máximo nesse fantástico ser que é Durão Barroso que procura salvar a Europa de uma crise que certamente, nem questionem tal facto, não tem em nada culpa dele. Isto é cómico, não fosse trágico.

 

Na Europa tivemos no poder das três maiores nações europeias lideres como Tony Blair, Gordon Brown, Jacques Chirac, Nicolas Sarkozy, Gerard Schroder e Angela Merkel. Nem um estadista e todos liberais como se sabe - para melhorar a coisa, três deles estão inclusivamente na linha da frente do restabelecimento da economia mundial, cujo caos nada tem de culpa deles ou dos que os antecederam. Ponto assente. Não discuto.

 

Talvez a verdade seja outra, quando atiram as culpas para os neo-liberais querem simplesmente atirar a culpa para a potência económica mundial a que associam essas prática: os Estados Unidos. Mas a pergunta mais uma vez coloca-se: em tom sério, alguém é capaz de apontar George Bush como um liberal? Um defensor do mercado livre e desregulado? Do estado pequeno e com pouca interferência na vida económica do país? Com base em que politica? Na que não existiu? Não foi por acaso que Obama, um democrata com uma visão politica social-democrata, obteve em várias sondagens a vantagem no voto liberal norte-americano (ou libertário, se preferirem, para que não fiquem dúvidas).

 

Os liberais tornaram-se o tubo de escape que todas as culpas suportam e de todos os males são responsáveis. O facto de a maior parte dos orgãos de poder e do mainstream económico nunca ter cedido ao liberalismo (contrariamente ao que alguns fazem por crer) pouco importa. O que importa é perpetuar o poder e para o perpetuar nada melhor do que atribuir a culpa aos outros - com um pouco de sorte e habilidade politica ainda vêem o seu poder reforçado.

 

Os mesmos politicos de sempre vão continuar a governar-nos e os mesmos economistas de sempre vão continuar a mandar os seus bitaites na televisão. É aquilo que se chama, plagiando a campanha de Obama, mudança em que se pode acreditar. Entretanto, um pouco à semelhança da mão de Adam Smith, os invisiveis dos neo-liberais que dominavam o mundo e impunham a sua ideologia são dados como vencidos.

 

A sociedade pode deleitar-se de contente com o caminho escolhido, os inimigos derrotados, um novo mundo renasce, rumo à próxima crise...

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Outras Casas

  •  
  • Blogs

  •  
  • Em Inglês

  •  
  • Think Tank

  •  
  • Informação

  •  
  • Magazines

  •  
  • Desporto

  •  
  • Audiovisual

  •  
  • Ferramentas

    Arquivo

    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2009
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2008
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2007
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2006
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D