Sábado, 25 de Outubro de 2008

O Legado McCain

O mais prejudicial legado para os republicanos é o de George Bush, mas o legado da campanha de John McCain acaba por tornar-se importante na direcção futura que o partido republicano tomará no pós-eleições, futuro esse que após 4 de Novembro será certamente de oposição a um presidente democrata e a uma maioria democrata no congresso e no senado.

 

Aquilo que garantiu as vitórias de George W.Bush foi a coligação entre um eleitorado diverso de defensores do conservadorismo económico e/ou social, defensores de posições mais libertárias e evangélicos. Mas dos vários grupos que constituem a grande coligação eleitoral republicana, houve um que transformou-se no motor da sua revolução iniciada na mente de Karl Rove, patrocinada pelos governos de Bush e que ganhou vida mediática na cadeia televisiva Fox News. Esse grupo: os Evangélicos.

 

Em 2000, os republicanos tinham dois candidatos a apresentar a eleições, George Bush e John McCain. A escolha que então fizeram veio a revelar-se um erro de casting crasso. E mais do que imaginar um universo alternativo com a vitória de Gore sobre Bush, podiamos imaginar o que teria sido da américa, e por consequência do mundo, com uma vitória de McCain sobre Bush nas primárias republicanas do ano 2000. Na altura, a forma como Rove e Bush derrotaram McCain nas primárias da Carolina do Sul foi absolutamente vergonhosa (espalhando mentiras e dúvidas sobre a vida pessoal do senador McCain) e só por sí sinal do que seria a politica Bush nos anos vindouros. Uma coisa tenho como certa, preferia que os oito anos de Bush tivessem sido fruto de um qualquer ficcionista Roth num The Plot Against America (v2.0), do que a realidade que está agora à vista de todos. E dada a história politica e pessoal de McCain, dificilmente este deixaria em 2000 que os evangélicos fossem o motor de uma sua administração.

 

Mas se os evangélicos foram o motor das vitórias de Bush, não é menos verdade que os republicanos não ganharam só com o apoio destes (de forma engraçada, os republicanos com Bush aproximaram-se de uma caracteristica dos democratas que tanto detestam, passaram a emitir politicas com o fim especifico de favorecer as visões politicas de uma minoria) - os evangélicos não representam mais que 15% do eleitorado norte-americano. E por isso, com a queda de popularidade de Bush, veio também a queda de popularidade de muitos dos sectores e ideias dos grupos que constituiem o eleitorado tipico republicano, entre eles, os sectores de tendência mais libertária ou do conservatismo económico. Se posso bem com a actual queda dos evangélicos, fico desapontado com o descrédito atribuido aos sectores americanos que defendem em parte aquilo que são as minhas posições politicas - posições essas que na Europa há muito cairam fora de moda. Por outro lado, bem sei que isto dos momentos politicos e sensações do eleitorado são passageiras - se hoje, conjuntamente com a atribuição de responsabilidade pela crise económica, algumas ideias base do movimento libertário cairam em descrença, não é menos verdade que tal movimento já teve piores dias e que deles recuperou.

 

John McCain é uma pessoa que, por vezes, e pondo de parte algumas coisas que terá feito e dito ao longo desta campanha eleitoral, deixa-me boa impressão. Gosto particularmente quando em pleno periodo de maioria na opinião pública a favor de mais regulação, consegue introduzir numa frase a defesa da "menor regulação governamental". Aqui está um homem que, contra tudo e contra todos, um pouco à semelhança do que faz em relação ao Iraque, mantém-se fiel ao que acredita. Este é o John McCain em que eu gostava de ter acreditado em 2000, mas também o John McCain que muitas vezes esteve ausente em 2008.

 

E esteve ausente porque, sabendo os seus conselheiros de antemão que as politicas normalmente associadas aos republicanos não eram bem vistas, fez uma campanha pouco associada a ideias politicas, a esse propósito ler o que diz o Ross Douthat no seu texto The Absence of Policy. Mas pior do que isso, quando teve de tomar a mais importante decisão no contexto de candidato à presidência, a de parceiro para o ticket, escolheu Sarah Palin - segundo consta também influenciado pela opinião dos seus conselheiros que deixaram passar para McCain a ideia que, mais do que a sua opinião pessoal, seria catastrófico a escolha de alguém com opiniões desfavoráveis ao sector evangélico do partido. Ora, com a escolha de Palin, embora o resultado de curto-prazo tenha parecido favorável e revitalizador da sua candidatura, o efeito permanente obtido foi a de uma escolha irresponsável e da cedência face aquilo que tinha sido toda a presidência Bush. A colagem que os democratas tentavam impingir entre McCain e Bush estava facilitada (para não dizer comprovada) a partir desse ponto.

 

Nos últimos dias tem saido, como é normal quando cheira a derrota, as primeiras noticias de cisão no ticket republicano. E se do lado de Palin culpa-se os gestores da campanha de McCain pela má imagem pública que esta conquistou, nomeadamente na gestão que fizeram das suas entrevistas e exposição mediática. Por outro lado, no lado de McCain, para não dizer do próprio John McCain, começam-se a atribuir culpas a Palin, pela sua inexperiência, falta de conhecimento sobre os assuntos e por andar a fazer campanha para sí própria e não em nome do ticket. O que torna-se óbvio, e muitos colunistas republicanos pró-Bush confirmam-no com os seus textos, é que perante a quase evidência de derrota republicana, Sarah Palin terá entrado em campanha para as eleições em 2012 - e a quatro anos de distância é já uma das favoritas para o lugar. Mas aquilo que é bom para Palin'12, não será necessariamente bom para McCain'08.

 

No entanto, no jogo das culpas, McCain tem de atribuir as culpas a sí próprio. Foi ele que fez a escolha de Palin, e que esta agora, ganha a exposição mediática, esteja a trabalhar mais para sí do que para o candidato, é problema de McCain e não de Palin. Mas é também um problema para o partido republicano, e é um problema porque isso significa que a derrota eleitoral, contrariamente ao que advogo, poderá não trazer uma renovação das prioridades do partido no sentido que considero favorável. Os evangélicos tomaram conta do partido e de lá não querem sair. John McCain, ao invés de renovar o partido com a sua candidatura, poderá ter ajudado aqueles que suportaram Bush a manterem o seu legado bem vivo. O trágico é que o senador McCain do ano 2000, perderá novamente em 2008 para George W.Bush.

Secções:
publicado por Jorge A. às 21:52
link do post | comentar
4 comentários:
De António de Almeida a 26 de Outubro de 2008 às 21:27
futuro esse que após 4 de Novembro será certamente de oposição a um presidente democrata e a uma maioria democrata no congresso e no senado.

-No Senado é um caso a ver. Mas presidência (governo por lá, para quem não sabe) e congresso são favas contadas para os Dems .
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

futuro esse que após 4 de Novembro será certamente de oposição a um presidente democrata e a uma maioria democrata no congresso e no senado. <BR><BR>-No Senado é um caso a ver. Mas presidência (governo por lá, para quem não sabe) e congresso são favas contadas para os Dems . <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>Sarah</A> Palin terá entrado em campanha para as eleições em 2012 <BR><BR>-Seria uma escolha tão credível quanto Bob Dole em 1996, ou pior ainda. <BR><BR>-Concordo com a análise, os evangélicos são neste momento o problema do GOP , mais cedo ou mais tarde o resto do partido irá expulsá-los e diminuir a sua influência, porque se é verdade que Obama pode ganhar agora, e até repetir a vitória em 2012, embora seja muito cedo para tal previsão, a estratégia Republicana passará por reconquistar o Congresso, o Senado é sempre relativo, muitos senadores valem por si próprios, nunca perdem, apenas saem quando se retiram, e ali os números são sempre equilibrados, para além de que os partidos, quer o GOP quer os DEMS mal conseguem disciplinar os seus congressistas, como vimos recentemente no bailout , os Senadores é tarefa impossível , obedecem a agenda própria. É uma das razões porque gosto do sistema americano e sou adepto de regimes presidencialistas.
De Jorge A. a 26 de Outubro de 2008 às 22:04
Caro António,

"No Senado é um caso a ver. Mas presidência (governo por lá, para quem não sabe) e congresso são favas contadas para os Dems."

No Senado é tão certa a maioria democrata quanto no Congresso:
http://www.pollster.com/polls/2008senate/
http://www.pollster.com/polls/2008house/

"Seria uma escolha tão credível quanto Bob Dole em 1996, ou pior ainda."

Mas que é uma escolha já desejada por parte dos republicanos, é.

De resto concordo com o que diz, fazendo apenas uma ressalva para este ponto:
"Concordo com a análise, os evangélicos são neste momento o problema do GOP , mais cedo ou mais tarde o resto do partido irá expulsá-los e diminuir a sua influência"

Os evangélicos são um problema porque a retórica foi inflamada e a guerra cultural propagada. Nesse sentido a sua "expulsão" não é a alternativa por mim defendida, entre os evangélicos também há quem seja moderado (um em cada cinco deverá mesmo votar Obama). A sua influência como você refere, essa sim, terá de ser reduzida - ou seja, os republicanos tem de voltar ao que sempre foi a sua tradição de não fazer politica para minorias.
De Ricardo Bernhard a 27 de Outubro de 2008 às 04:49
Jorge, mais um libertário argumenta que o GOP tem de perder, e perder feio, para expurgar tudo de ruim que os anos Bush provocaram no partido: Radley Balko, na reason. Aqui: http://www.reason.com/news/show/129599.html. Lembro-me que há muito li isso por aqui no Despertar. Certíssimo:

Which brings me back to why the Republicans need to get throttled: A humiliated, decimated GOP that rejuvenates and rebuilds around the principles of limited government, free markets, and rugged individualism is really the only chance for voters to possibly get a real choice in federal elections down the road.
De Jorge A. a 27 de Outubro de 2008 às 21:21
Caro Ricardo,

obrigado pelo link. Desconhecia essa posição de Radley Balko que é basicamente a minha. Já agora, vale a pena também dar uma vista de olhos pelo Lexington, na Economist:
http://www.economist.com/world/international/displaystory.cfm?story_id=12470555

"The biggest brigade in the Obamacon army consists of libertarians, furious with Mr Bush’s big-government conservatism, worried about his commitment to an open-ended “war on terror”, and disgusted by his cavalier way with civil rights. There are two competing “libertarians for Obama” web sites. CaféPress is even offering a “libertarian for Obama” lawn sign for $19.95. Larry Hunter, who helped to devise Newt Gingrich’s Contract with America in 1994, thinks that Mr Obama can free America from the grip of the “zombies” who now run the Republican Party."

Comentar post

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Mais sobre mim

Contacto

jorgeassuncao@europe.com

Subscrever feeds

Pesquisar neste blog

Links

Arquivos

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Secções

desporto(383)

politica nacional(373)

cinema(291)

economia(191)

música(136)

ténis(132)

humor(131)

futebol(130)

eleições eua(118)

estados unidos(115)

portugal(115)

blogs(109)

miúdas giras(93)

jornalismo(88)

politica internacional(87)

governo(79)

televisão(74)

blogosfera(69)

oscares(68)

pessoal(55)

todas as tags

blogs SAPO