Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Despertar da Mente

"Democracy and socialism have nothing in common but one word, equality. But notice the difference: while democracy seeks equality in liberty, socialism seeks equality in restraint and servitude." Alexis de Tocqueville

"Democracy and socialism have nothing in common but one word, equality. But notice the difference: while democracy seeks equality in liberty, socialism seeks equality in restraint and servitude." Alexis de Tocqueville

Despertar da Mente

23
Out08

Os Sindicatos que se vão... utilizar a F Word algures por aqui

Jorge A.

UGT defende aumentos salariais superiores a três por cento para 2009

A UGT (União Geral de Trabalhadores) defendeu hoje aumentos salariais superiores a três por cento para os trabalhadores da função pública em 2009, assim como um "aumento extraordinário" das pensões, aproveitando a folga proporcionada pelo crescimento das receitas da Segurança Social.
Para Ana Avoila, coordenadora da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, afecta à CGTP, "não há argumento possível para o governo apresentar um aumento de 2,9 por cento". Por discordar deste valor, a estrutura sindical vai reunir-se amanhã para agendar uma manifestação ou greve para a segunda quinzena de Novembro.

Mas esta gente vive em algum universo alternativo? A mademoiselle Ana Avoila não vê nenhum fucking motive para aumentos salariais de "apenas" 2,9 por cento? Are you joking with me? É que eu ando sem vontade nenhuma de me rir, se ainda não perceberam...

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Jorge A. 24.10.2008

    Caro Palavrossavrvs Rex,

    "Mas mereceria a pena compreender por que motivo está a CGTP a trilhar um caminho populista e utópico, não será porque se perfilha um cenário retributivo dual na nossa sociedade?"

    Percebo qual o seu ponto (não o chamaria dual) e em parte julgo estar de acordo consigo. A minha visão do Estado é deste enquanto entidade que serve como intermediário dos interesses de vários agentes (sectores) da sociedade. Aqueles que mais pressão conseguem exercer sobre o Estado, mais beneficios obtém deste. A redistribuição justa, com que alguns sonham, é neste momento pura miragem em Portugal (e repare que eu não estou a defender a redistribuição da riqueza, tenho aliás todas as dúvidas sobre qualquer sucesso que possa advir quando o Estado se compromete a desempenhar tal processo) - quanto do bolo gigante que o Estado arrecada em contribuições e impostos do zé povinho vão parar aos efectivamente pobres? Como é que anos após anos a desempenhar esta função redistributiva a pobreza ainda existe? Claro que os sindicatos não são o único cancro do regime, também os empresários que vivem encostados à mama do estado o são. E os vários processos de bailout, como você refere, foram em parte prova evidente disso.

    "Não sei por onde se poderá conter uma bolha de rebelião generalizada nos tempos que se aproximam."

    Aqui discordo consigo. E discordo porque aqueles que mais motivos tem para se queixar, vão deixar as coisas correr e não estão organizados (os outros, os mamistas de sempre, continuarão a sua pressão para sacar o mais possível do cada vez menor bolo dos governos com que se deparem). No longo prazo seremos em média todos mais pobres, mas como as coisas vão correr a um ritmo lento (propiciado pelas medidinhas que os governos vão tomando de tempos em tempos), ninguém sentirá de imediato a necessidade da rebelião - o deixa andar virá ao de cima.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Mais sobre mim

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Links

  •  
  • Outras Casas

  •  
  • Blogs

  •  
  • Em Inglês

  •  
  • Think Tank

  •  
  • Informação

  •  
  • Magazines

  •  
  • Desporto

  •  
  • Audiovisual

  •  
  • Ferramentas

    Arquivo

    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2009
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2008
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2007
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2006
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D