Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Despertar da Mente

"Democracy and socialism have nothing in common but one word, equality. But notice the difference: while democracy seeks equality in liberty, socialism seeks equality in restraint and servitude." Alexis de Tocqueville

"Democracy and socialism have nothing in common but one word, equality. But notice the difference: while democracy seeks equality in liberty, socialism seeks equality in restraint and servitude." Alexis de Tocqueville

Despertar da Mente

26
Jul08

The Dark Knight (III)

Jorge A.

O The Dark Knight é um grande filme? Não tenho grandes dúvidas. Ao sair da sala onde o filme havia sido projectado e o  genérico final ainda corria, sentia aquela rara satisfação de felicidade por saber que havia visto uma coisa bela e que justifica em pleno o rótulo de sétima arte para aquilo a que se designou chamar cinema.

 

O filme demora a aquecer - posso ter sido afectado por ter visionado antecipadamente os primeiros cinco minutos do filme onde o Joker faz a sua primeira aparição - mas durante a primeira hora de rodagem, e salvo ocasionais aparições do Joker, a coisa não vai muito além do habitual.

 

Mas depois compreende-se. Nolan tinha de enquadrar a história e perdeu o tempo inicial a fazê-lo. Por vezes, no enquadramento, perde-se na complexidade de tudo o que pretende retratar e dá pulos na acção injustificados (por exemplo a sequência final da festa de Bruce Wayne em honra de Harvey Dent não explica como é que o Joker abandona a festa), mas logo de seguida reencontra-se e devolve-nos toda a magia deste The Dark Knight.

 

O filme é longo, mas tem a fascinante proeza de manter a acção em permanente climax durante toda a sua hora e meia final. Nesse climax, tanto é-nos apresentada algumas das melhores sequências de acções da história do cinema, como das melhores cenas de representação dos últimos tempos. Para isso muito contribui o Joker e o actor que o protagoniza, Heath Ledger, que merece toda a atenção que tem recebido por parte da critica e do público - todas as cenas do Joker enquanto prisioneiro são uma delicia para qualquer verdadeiro amante de cinema (e não, a sua morte pode ter garantido uma aura especial a este papel, mas todos os elogios são poucos para uma representação tão bem conseguida). O Joker não só assusta como, sem nunca ser cómico, ou reformulando, sem nunca tentar ser cómico, provoca o sorriso fácil (a sua cena a sair do hospital que acaba de detonar é magnifica, ou a cena inicial do truque do lápis, etc...).

 

Entre as cenas de acção, o suspense, o dramatismo e o romance, fica também a análise filosófica a que o realizador se propõe. A caracterização do Joker como um bandido cujas acções não carecem de justificação, nem aparentam tê-la. A visão anárquica de sociedade do Joker e os seus objectivos, da criação do caos para fazer sobressair nas pessoas os seus receios e por essa via forçá-las a tornarem-se um pouco como ele próprio se vê. A tentativa de equivalência entre o que o Joker e o Batman representam, mas ficando claro desde o principio o que os distingue. E é a linha que os distingue, que Batman nunca atravessa (embora o próprio Batman compreenda que alguns limites têm de ser quebrados e ele quebra-os para lutar contra um grande mal), que será transposta por Harvey Dent - o Two-Face surge assim não apenas como um personagem com mero delirio psicológico, de alternância entre dois estados de espirito distintos, mas sim como uma metáfora de como é curta a distância entre o que distingue o herói do vilão.

 

Mais havia a dizer, outras analogias se poderiam traçar, nomeadamente com o onze de Setembro de 2001, a América actual, a paranóia de vigilância que varre a nossa sociedade, e em como o filme tenta incorporar isso tudo na sua mensagem.

 

Mas no fim, é um filme sobre os heróis que queremos e sobre os heróis que efectivamente temos. Sobre os heróis que imaginamos existir e sobre os heróis que sem imaginarmos, existem. E sobre os dilemas morais que afectam aqueles cujos opositores não revelam reger-se pelo mesmo código moral. Sobre a solidão e responsabilidade que advém da posse de um grande poder. Sobre as escolhas que se fazem e as consequências que se acarretam.

 

Vale a pena.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Outras Casas

  •  
  • Blogs

  •  
  • Em Inglês

  •  
  • Think Tank

  •  
  • Informação

  •  
  • Magazines

  •  
  • Desporto

  •  
  • Audiovisual

  •  
  • Ferramentas

    Arquivo

    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2009
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2008
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2007
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2006
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D