Sexta-feira, 16 de Maio de 2008

Optimismo e Confiança

Portugal desacelera e apenas deverá crescer 1,5 por cento este ano

A economia portuguesa apenas deverá crescer 1,5 por cento este ano, anunciou hoje o ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos. Este valor fica bastante abaixo dos 2,2 por cento inicialmente previstos pelo Governo e afastados dos 1,9 por cento registados no ano passado. Em 2009, segundo o ministro, Portugal deverá crescer dois por cento.

E de quem é que é a culpa? O PS diz que é da conjuntura internacional. Porquê que não me espanta? Sempre que a economia sofre a culpa é da "conjuntura internacional", sempre que a economia entra num período positivo a responsabilidade é dos excelentes governantes que temos. Ando farto desta conversa da treta.

publicado por Jorge A. às 02:56
link do post | comentar
6 comentários:
De Liliana a 16 de Maio de 2008 às 11:55
Concordo com o que tu dizes. Existe sempre muito oportunismo político face às situações. Seja que partido for. Mas não podemos ignorar o facto que a integração das economias tem este efeito. Era de esperar, até porque a nossa economia também não está de boa saúde e a vulnerabilidade é inevitável.
De Jorge A. a 16 de Maio de 2008 às 21:43
"Era de esperar, até porque a nossa economia também não está de boa saúde e a vulnerabilidade é inevitável."

O problema Liliana, é que não me parece que este seja um problema só de agora. A conjuntura internacional explica a nossa taxa de crescimento económico actual, mas também explica as taxas de crescimento do passado - ou seja, Portugal enquanto país vê-se incapaz de crescer por si próprio. Os factores exógenos prevalecem sobre os factores endógenos.
De Liliana a 17 de Maio de 2008 às 00:05
Claro, os problemas vêm muito de trás. Tão de trás que nem sei dizer de quando! Mas uma boa parte do nosso crescimento nas últimas décadas deve-se à abertura ao exterior, portanto, é normal que haja esta parte perversa quando internacionalmente as coisas estão mal. O que não é motivo para não se procurar soluções, claro.
De commonsense a 17 de Maio de 2008 às 23:20
Acho que não, Liliana.

Se a causa fosse a abertura ao exterior, então também a economia melhoraria quando a economia exterior melhora. Mas não acontece assim.

Valeria a pena saber onde estão a ser gastos os subsídios comunitários que Portugal continua a receber, com valores enormes, e que niguém vê onde vão cair nem qual é o seu efeito.

Vale a pena ver, também, que nem toda a gente anda em crise no País.
De Jorge A. a 18 de Maio de 2008 às 00:34
"Se a causa fosse a abertura ao exterior, então também a economia melhoraria quando a economia exterior melhora. Mas não acontece assim."

caro commonsense,

mas a economia melhorou quando a situação económica internacional melhorou. O problema tem sido andarmos a seguir a tendência internacional, mas com uma performance inferior. Ou seja, apesar de sermos afectados pela conjuntura internacional, nos últimos anos as nossas taxas de crescimento são inferiores às dos nossos restantes parceiros internacionais.

"Valeria a pena saber onde estão a ser gastos os subsídios comunitários que Portugal continua a receber, com valores enormes, e que niguém vê onde vão cair nem qual é o seu efeito."

Os subsidios da UE foram um dos efeitos exógenos a que me refiro no meu comentário ao comentário da Liliana. Foi um dos vários efeitos positivos externos a Portugal que permitiram dar um pulo na economia portuguesa. Se foram usados no seu melhor, concordo com o commonsense que provavelmente não, mas os efeitos, esses, foram efectivamente sentidos e positivamente na nossa economia.

O problema dos governos é que fingem que é possível mudar a economia instantaneamente no curto prazo, quando as medidas mais importantes que se podem tomar serão estruturais e com efeitos só a longo prazo (e o choque tecnológico poderia vir nesse sentido, embora a avaliar pelas medidas tomadas não servirá para absolutamente nada).

Como os governos são eleitos por períodos de 4 anos, e como os governos também vivem para serem reeleitos passados os 4 anos, a estratégia passa por concentrar a maior parte dos esforços em medidas de curto prazo e desprezam as medidas de longo prazo (mesmo porque muitas delas dariam grandes dores de cabeça no curto prazo). E entramos assim num circulo vicioso... e daqui não saimos, daqui ninguém nos tira.
De commonsense a 18 de Maio de 2008 às 23:23
Há muito de verdade no que escreves. Mas não explica tudo. Este permanente e fatal underperforming da economia portuguesa tem de ter um explicação (já não digo uma justificação). É aí que eu não tenho a certeza de que as decisões de investimento sejam as melhores, principalmente no que tange aos fundos europeus. É claro que também há muito mais: red tape, custos de contexto, justiça paralítica, empresariado medíocre, mau ensino. Há muito por onde escolher!
Este sistema é tão business-unfriendly que já nem os portugueses investem aqui.

Comentar post

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Mais sobre mim

Contacto

jorgeassuncao@europe.com

Subscrever feeds

Pesquisar neste blog

Links

Arquivos

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Secções

desporto(383)

politica nacional(373)

cinema(291)

economia(191)

música(136)

ténis(132)

humor(131)

futebol(130)

eleições eua(118)

estados unidos(115)

portugal(115)

blogs(109)

miúdas giras(93)

jornalismo(88)

politica internacional(87)

governo(79)

televisão(74)

blogosfera(69)

oscares(68)

pessoal(55)

todas as tags

blogs SAPO