Sábado, 10 de Novembro de 2007

Cimeira Ibero-Americana

Le Petit Dictador monta sempre o espectáculo para telespectador ver. No primeiro dia deu espectáculo:

Muito poucos saíram ilesos da meia hora de discurso de Hugo Chávez, ontem, na XVII Cimeira Ibero-Americana, em Santiago do Chile. [...] A regra dos cinco minutos de palavra por chefe de Estado não foi cumprida por Chávez, mas ninguém teve coragem de o interromper, dando tempo ao líder "bolivariano" para discorrer as suas propostas alternativas à agenda oficial do encontro entre os 22 chefes de Estado e de Governo ibero-americanos.

Hoje continuava a festa:
O actual chefe do Governo de Madrid, José Luis Rodríguez Zapatero, usou da palavra para insistir – já o tinha feito de manhã, em conferência de imprensa – no “respeito” por Aznar. [...] Chávez tentou interrompê-lo e, apesar de que o microfone se mantinha desligado, continuou, não longe da delegação espanhola, a reclamar o seu direito à liberdade de expressão.
O rei Juan Carlos de espanha é que não foi na cantiga e mandou Chávez calar-se. Quem não se curva ao pequeno ditador merece todo o meu respeito (hoje sou um bocadinho monárquico), mas claro que a festa continuou:
Em seguida, claramente perturbada, a anfitriã do encontro, a Presidente chilena, Michelle Bachelet, deu a palavra ao seu homólogo da Nicarágua, Daniel Ortega. Que recusou os “três minutos”, avisou que falaria o tempo que lhe apetecesse e, em nome da liberdade de expressão e da diversidade democrática, ofereceu primeiro a palavra a Chávez, para que pudesse responder a Espanha. [...] Daniel Ortega falou durante 20 minutos, apoiando as apreciações de Chávez sobre Aznar, criticando a “aliança político-militar” que aquele teceu com os EUA. Sempre olhos nos olhos com Zapatero e Juan Carlos, o líder da Nicarágua defendeu o “direito à liberdade de expressão” de Chávez, que apenas criticou “o cidadão” Aznar, que “fez e continua a fazer campanha contra a Venezuela”. “Se nós temos que vos respeitar, vocês têm de se dar ao respeito”, reclamou. Irritado, Juan Carlos acabou por abandonar a sala, tendo voltado ao plenário apenas após o hino, para a sessão de encerramento.
De cimeira só no nome, porque aquilo tem sido mais um circo. Os pequenos ditadores sul-americanos lidam mal com a democracia e o respeito pelos outros. Um total desprezo pelas regras de conduta. A habituação a terem um palco só para si, leva-os a confundirem liberdade de expressão com poderem dizer tudo o que lhes passa pela cabeça, em qualquer lugar, em qualquer momento, e durante quanto tempo achem necessário. Há um palhaço de serviço e alguns bobos da corte, e os restantes não se dão ao respeito. Curvam-se à palhaçada chávista. Daí que a tirada de rei Juan Carlos - Por qué no te callas? - acaba por ser das poucas coisas boas que aconteceram nesta cimeira. Afinal, sempre há quem não se curve e se dê ao respeito.
publicado por Jorge A. às 19:12
link do post | comentar
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Mais sobre mim

Contacto

jorgeassuncao@europe.com

Subscrever feeds

Pesquisar neste blog

Links

Arquivos

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Secções

desporto(383)

politica nacional(373)

cinema(291)

economia(191)

música(136)

ténis(132)

humor(131)

futebol(130)

eleições eua(118)

estados unidos(115)

portugal(115)

blogs(109)

miúdas giras(93)

jornalismo(88)

politica internacional(87)

governo(79)

televisão(74)

blogosfera(69)

oscares(68)

pessoal(55)

todas as tags

blogs SAPO