Terça-feira, 7 de Agosto de 2007

Belo dia em que os comprei

"Tivesse ele sabido do sofrimento mortal de todos os homens e mulheres que por acaso tinha conhecido durante todos os seus anos de vida profissional, da história penosa de desgosto, sofrimento e estoicismo, de medo, pânico, isolamento e pavor de cada uma dessas pessoas, tivesse ele sabido de todas as coisas, até à mais insignificante, que elas tinham deixado para trás depois de em tempos terem sido estruturalmente suas, e da forma sistemática como estavam a ser destruídas, e teria sido obrigado a ficar ao telefone o resto do dia e pela noite fora, fazendo pelo menos mais cem chamadas. A velhice não é uma batalha; a velhice é um massacre."

Philip Roth, Todo-o-Mundo, Publicações D.Quixote, pp. 154-155, tradução de Francisco Agarez.

Já lido, e altamente recomendado. Quando neste post disse que ia devorar os dois livros no fim de semana, menti. Menti porque o tempo não me permitiu tal feito. Fiquei-me pelo livro de Roth. Podia também ter mentido na parte do "devorar" - qualquer um dos autores é novidade para mim (leitor mais assíduo de clássicos), e embora as criticas fossem boas, já me desiludi frequentemente com obras que cometeram a proeza de sobreviver ao passar do tempo. Lembro-me de começar a ler um dos Trópicos (Capricórnio ou Câncer, não me recordo) de Henry Miller e ter desisitido logo nas primeiras páginas. Mas com Everyman (titulo original) de Roth verificou-se aquele click que torna a leitura mágica -o começar a ler e não mais querer parar. De tal forma que o A Conspiração contra a América já está na lista para ler a seguir (sim, é defeito, se gosto de um autor tenho de ler mais do mesmo - se bem que pelo que li este Todo-o-Mundo fugia um bocado ao habitual em Roth - logo descubro). Mas entretanto há uma caminhada entre um pai e um filho num mundo algures entre o Mad Max e o Dawn of the Dead para acompanhar:

"Vamos, disse. O rapaz voltou a cabeça e olhou para o carrinho pela derradeira vez e depois seguiu-o em direcção à estrada."

Cormac McCarthy, A Estrada, Relógio d'Água, pp. 69-70, tradução de Paulo Faria

Sim... não duvidem... também é para "devorar"...
Secções:
publicado por Jorge A. às 23:12
link do post | comentar
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Mais sobre mim

Contacto

jorgeassuncao@europe.com

Subscrever feeds

Pesquisar neste blog

Links

Arquivos

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Secções

desporto(383)

politica nacional(373)

cinema(291)

economia(191)

música(136)

ténis(132)

humor(131)

futebol(130)

eleições eua(118)

estados unidos(115)

portugal(115)

blogs(109)

miúdas giras(93)

jornalismo(88)

politica internacional(87)

governo(79)

televisão(74)

blogosfera(69)

oscares(68)

pessoal(55)

todas as tags

blogs SAPO