Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Despertar da Mente

"Democracy and socialism have nothing in common but one word, equality. But notice the difference: while democracy seeks equality in liberty, socialism seeks equality in restraint and servitude." Alexis de Tocqueville

"Democracy and socialism have nothing in common but one word, equality. But notice the difference: while democracy seeks equality in liberty, socialism seeks equality in restraint and servitude." Alexis de Tocqueville

Despertar da Mente

21
Set07

NY

Jorge A.










Ao inicio estranhei a cidade de Nova Iorque. As ruas vestem-se de povos de todo o mundo, os carros que circulam na estrada tem em média pelo menos mais um metro de comprimento do que os que circulam nas estradas europeias (a predilecção dos americanos pela grandeza é evidente), e as luzes e a publicidade às mais variadas coisas invadem-nos a visão. Se a cidade não dorme, é porque na cidade ninguém pára. Não gostei de Chinatown, e pouco achei de interessante na festa de San Gennaro. Quem experimentar apanhar o metro em Grand Street apanha com um cheiro a peixe insuportável (é praticamente uma praça em céu aberto), a Bowery e Canal Street pareceram-me ruas demasiados sujas e as bugigangas chinesas não me pareceram tão baratas quanto isso... já em relação à festa de San Gennaro, a mesma consiste numa série de restaurantes italianos plantados ao longo da Mulberry Street e ruas adjacentes, muitos fritos e alguns jogos de tiro ao prato, etc... não gostei, e fiquei desiludido no primeiro dia na cidade.

Mas claro que a desilusão não durou muito, foi só o tempo de dar um pulinho pelo Rockefeller Center e subir a quinta avenida até ao Metropolitan Museum (para ver bem o museu seria preciso pelo menos dois dias completos, mas não os tinha, por isso vi tudo em meio dia - uma chatice - a ala egipcia foi a que mais gostei). Da quinta avenida ainda guardo a passagem - saiu bem cara - à NikeTown, à Fao Schwarz, à loja da Disney e à Apple Store (onde o acesso gratuito à internet teve grande utilidade).

De central park para além da óptima paisagem, guardo a recordação da quantidade enorme de pessoas a correrem e a passearem os seus super bem tratados cães. Apreciei também o Museu de História Natural - se bem que o Metropolitan seja, para mim, muito mais interessante - e senti-me desapontado com o dinheiro extra pago para ver a exposição das Criaturas Miticas, que pouco interesse teve.

A presença da policia nas ruas é uma constante na cidade, e a quantidade de pessoas que se movimentam pela mesma, dão-lhe um aspecto (real ou não) de segurança que facilmente se transmite. A comida é claramente um aspecto negativo. Ou há restaurantes muito caros, ou fast food, ou então, a minha opção favorita, vamos recorrendo aos vários cafés da cidade e petiscando alguma coisa. Nesse aspecto o europa café foi o meu ponto favorito da cidade - para além do tall hot chocolate do starbucks.

Descer a broadway em direcção a Times Square é uma experiência única, e dar um pulinho por um dos teatros que abundam nessa zona da cidade também. A minha escolha recaiu sobre o velinho Phantom of the Opera, e o visionamento de tal espectáculo é talvez uma das melhores recordações que levo da cidade. Esta zona também é boa para fazer compras - mais acessível que a quinta avenida e com as lojinhas de souvenirs da cidade sempre necessárias - e dei o meu pulinho à Virgin Megastore, à Toys'R'Us e à loja dos M&M's.

O passeio de barco pela cidade ao longo do rio Hudson também foi interessante, e permitiu-me passar bem pertinho da estátua da Liberdade e ter outra perspectiva da forma como o Empire State se destaca dos restantes edificios da cidade, perspectiva essa que enquanto cruzamos as ruas da cidade não temos... aliás, em termos de altura dos edificios, foi na Avenida das Americas, bem pertinho do Rockefeller Center que fiquei mais impressionado.

De resto a cidade exige uns bons ténis (andar a pé é a norma) e aposto que fiz na boa umas duas dezenas de quilómetros nestes dias. Herald Square nesse sentido foi óptima para perder algum tempo a descansar as pernas, observando as massas que invadiam a Macy's (the world's largest store como lhe chamam), enquanto um qualquer colombiano metia conversa e explicava - quando soube que eramos portugueses - a história da novela Escrava Isaura.

Mais havia a contar, mas também já me faltam palavras...

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Outras Casas

  •  
  • Blogs

  •  
  • Em Inglês

  •  
  • Think Tank

  •  
  • Informação

  •  
  • Magazines

  •  
  • Desporto

  •  
  • Audiovisual

  •  
  • Ferramentas

    Arquivo

    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2009
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2008
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2007
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2006
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D