Quinta-feira, 28 de Setembro de 2006

Coisas que um gajo vai buscar ao baú da faculdade

INTRODUÇÃO
O nosso trabalho pretende fazer uma análise dos custos de mudança no sector das telecomunicações móveis nacionais. Para isso recorremos ao modelo simples de estimação de custos de mudança criado por Oz Shy.
O mercado de telecomunicações nacionais constitui um exemplo interessante do impacto de custos de mudança num mercado dinâmico. O mercado de telefones móveis nacional é caracterizado por três tipos de custos de mudança – compatibilidade, transacção e custos de mudança contratuais. O crescimento do sector foi bastante elevado nos últimos anos, sendo que a Optimus recentemente juntou-se à TMN e à Vodafone como os únicos operadores do mercado nacional. O regulador nacional, ANACOM, interveio durante este período no sentido de reduzir alguns custos de mudança associados ao mercado de telefones móveis e portanto é também possível analisar o impacto dalgumas das medidas tomadas no efeito sobre os custos de mudança.


BREVE HISTÓRIA DO MERCADO NACIONAL

O mercado nacional no final de 2004 tinha 3 licenças de operadores, Vodafone, TMN, e Optimus. O primeiro operador móvel, a TMN lançou o seu serviço móvel em 1991. Ano e meio após a criação da TMN surgiu no mercado a Telecel (actual Vodafone). Dada a concorrência originada pela presença de dois operadores, os preços baixaram e o número de subscritores começou a aumentar. Em 1998 a Optimus entrou no mercado.


TIPOS DE CUSTOS DE MUDANÇA

Custo de compatibilidade
Como cada operador funciona em exclusividade com alguns modelos de telemóveis, ou em alternativa, a escolha de um determinado operador limita a quantidade de modelos de telemóveis disponíveis. Este assunto é abordado de forma mais clara no tópico sobre o bloqueio dos telemóveis pelas operadoras.

Custo de transacção
Um consumidor que decida mudar de operadora enfrenta a seguinte escolha: ou muda de número de telemóvel ou opta pela portabilidade do número que já tinha. Se o consumidor escolhe mudar o seu número de telemóvel enfrenta uma série de custos. Ele tem de:
• Informar clientes potenciais que o número mudou (no caso de empresas)
• Acabar por perder chamadas de amigos e clientes.~

Estes custos são maiores para uma empresa, que pode sofrer mais com a alteração de número de telemóvel. A isto, temos de acrescentar que alguns clientes vão ter de mudar o número de telemóvel que tem no seu address book e outros database records. Eles também sofrem algum inconveniente em termos de chamadas direccionadas para o antigo número.
A introdução de portabilidade do número de telemóvel para remediar este custo não o remove totalmente, no sentido em que pode haver um atraso temporal desde o pedido para manter o mesmo número e a implementação do mesmo. Desta forma, mesmo com portabilidade do número, os custos de transacção ainda existem.

Custos Contratuais
Alguns dos custos de mudança envolvidos em mudar de servidor móvel são custos contratuais. Estes custos são impostos pelo operador do serviço e portanto não representam custos sociais reais.

Contractual Length
Muitos dos telemóveis vendidos implicam um mínimo de 12 meses de activação, durante o qual o consumidor terá de pagar uma penalização caso queira cancelar o contracto. Depois desse período o consumidor poderá mudar de operador sem ser penalizado.

Locking Handsets
Os telefones móveis contêm um pequeno chip denominado de cartão SIM. Cada SIM é identificado por um número único, incluindo um número de telefone, e apenas permite serviços fornecidos por um dos operadores portugueses. O bloqueio do SIM acontece na prática quando o mesmo só funciona para o operador original do serviço móvel. Em Portugal, o telemóvel é vendido normalmente de forma a não permir que o mesmo seja utilizado com outro SIM que não um do operador que vendeu o telemóvel.
Caso o utilizador queira desbloquear o telemóvel é obrigado a pagar uma tarifa elevada.

Search Costs
Os custos de um determinado pacote de telemóvel para um cliente particular dependem de um número de factores:
• Qual a taxa de utilização que o cliente tem do telefone
• A hora do dia a que o cliente faz as suas chamadas
• A rede móvel utilizada pela maior parte das pessoas a quem o cliente deverá fazer mais chamadas.
• O tipo de serviços que o cliente quer no seu telemóvel (ex: cameras, mms, sms)
• Se e com que frequência quererá o cliente utilizar o telemóvel fora do país.
• Qual o grau de cobertura da rede móvel onde o cliente irá realizar mais frequentemente as suas chamadas
• Se o cliente prefere pagar uma verba mensal, ou se prefere pagar apenas as chamadas
• Se o telemóvel preferido do cliente está disponível em determinada rede.

Dados estes variados factores que os consumidores têm em conta quando escolhem um operador de telemóveis, isto pode criar search costs para os consumidores.


MARKET OUTCOMES

Alguns dos preços praticados na indústria de telemóveis são consistentes com aqueles previsíveis em mercados com custos de mudança:

Efeitos nos preços

Bargain then rip-off pricing
A teoria económica argumenta que na presença de custos de mudança, os operadores tem preços baixos para atrair clientes e que depois aumentam o preço acima do custo marginal quando o consumidor já está captado.
Tanto no caso de contratos como no caso de pré-pagamento, os operadores tem subsidiado o custo do telemóvel de forma a encorajar o crescimento do número de subscritores. Isto foi particularmente notório no caso do telefones pré-pagos e normalmente indicava que o operador estava a vender o telemóvel abaixo do custo do mesmo, recuperando a perda mais tarde cobrando preços pró chamadas acima do custo.

Incumbents charging higher prices than new entrants
Outro padrão nos preços previsível pela teoria dos custos de mudança é o de que as empresas instaladas com uma base de clientes fixa irá cobrar sempre preços mais altos que as empresas que se são novas no mercado e que ainda não tem uma base de clientes. Isto deve-se ao facto da empresa instalada já com uma base de clientes firmada, ter um incentivo a “harvest” os seus clientes já existentes, em vez de investir a baixar os preços como forma de ganhar maior poder de mercado e portanto, maiores lucros futuros.

Changes in market share
A teoria económica prevê em mercados com custos de mudança que a cota de mercado irá variar com o tempo.

Difference in shares of new customers and installed base e convergence in market shares
Num mercado com custos de mudança, nós podemos ver a diferença entre cota de mercado de firmas de “novos” clientes e poder de mercado como o total do mercado. Isto acontece, porque as empresas instaladas cobram preços maiores que as novas entrantes, e portanto as novas entrantes vão adquirir um poder de mercado desproporcional no que diz respeito à cota de novos clientes. Isto resulta numa diferença entre o poder de cada empresa no que diz respeito a novos e antigos clientes.
Adenda ao caso português: num mercado em elevado crescimento, o incentivo para as empresas instaladas cobrarem preços altos pode não ser suficiente dado o desejo de adquirir novos clientes num mercado em crescimento. Para além disso pode haver discriminação dado que aos novos clientes pode ser oferecido um pacote de preços diferente do que o que foi oferecido aos clientes antigos.
Como as empresas instaladas concentram-se na sua base de clientes, ao longo do tempo, o poder de mercado tende a convergir entre os diferentes operadores.


NIVEL DE MUDANÇA E FACTORES QUE INFLUENCIAM A MUDANÇA

Apesar de existirem potenciais custos de mudar de operador no sector dos telemóveis, o número de mudanças de rede efectuadas por clientes é relativamente alto.
O desejo de querer obter o último modelo de telemóvel pode sobrepor-se aos custos de mudança. Desta forma, pode haver uma mudança excessiva de operador mesmo com custos de mudança elevados. Tal facto pode ser explicado por exemplo com o baixo preço a que os telemóveis são postos à venda como forma de atrair clientes, pelo que podemos considerar que estes preços baixos encorajam os clientes a mudarem mais do que seria justificado.

INTERVENÇÃO REGULADORA

A principal intervenção do regulador de telecomunicações nacionais: ANACOM foi a da portabilidade do número de telemóvel de um operador para outro. Ao contrário dos custos de mudança contratuais, os custos envolvidos na mudança do número de telemóvel é um custo real social. Com a introdução da portabilidade, estes custos são suportados pelo operador móvel, e não pelo cliente.
Mas o fornecimento da portabilidade do número não é um processo fácil. Requer que os sistemas reconheçam que uma chamada efectuada com um prefixo normalmente destinado a uma operadora móvel, deve ser transferido para outra operadora móvel. Há 3 diferentes (broad) categorias de custos envolvidas no fornecimento de portabilidade do número de telemóvel:
• Estabelecimento do sistema e custos de manutenção (System-set-up and maintenance costs) – os custos que o provedor do serviço incorre em estabelecer a capacidade para fornecer portabilidade na sua rede e nos sistemas administrativos associados. Estes custos não são correlacionados com o número de números portáveis.
• Call conveyance costs – custos adicionais associados com a remarcação de chamadas depois da introdução da portabilidade do número.
• Customer transfer costs – one-off costs, which the donor service provider incurs each time customers port their number to another service provider.

Apesar de não termos tido acesso a estudos para Portugal sobre isto, parece-nos evidente que os custos incorridos por falta de portabilidade eram muito maiores em caso de utilizadores empresariais que em utilizadores individuais. Daí que o seu impacto seja maior junto das empresas.

SUCESSO DA PORTABILIDADE DOS NÚMERO DE TELEMOVEL

Em Inglaterra não teve sucesso, e em Portugal?

SIM LOCKING POLICY
Os reguladores ainda devem debruçar-se sobre a seguinte questão: se deixasse de haver telemóveis bloqueados, então os clientes só precisariam de comprar um SIM card de outra operadora para mudar de rede.
Os benefícios da não existência de SIM locking seriam sobretudo do ponto de vista da concorrência dos preços praticados nos tarifários, no entanto iria reduzir o incentivo dos operadores a promover serviços únicos da rede no seu telemóvel. Ou seja, iria ter um efeito adverso sobre a inovação.
publicado por Jorge A. às 18:29
link do post | comentar
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Mais sobre mim

Contacto

jorgeassuncao@europe.com

Subscrever feeds

Pesquisar neste blog

Links

Arquivos

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Secções

desporto(383)

politica nacional(373)

cinema(291)

economia(191)

música(136)

ténis(132)

humor(131)

futebol(130)

eleições eua(118)

estados unidos(115)

portugal(115)

blogs(109)

miúdas giras(93)

jornalismo(88)

politica internacional(87)

governo(79)

televisão(74)

blogosfera(69)

oscares(68)

pessoal(55)

todas as tags

blogs SAPO