Quarta-feira, 15 de Abril de 2009

Insecticida

"Have you ever heard of insect politics? Neither have I! Insects don't have politics.... they're very brutal. No compassion.... no compromise. We can't trust the insect. I'd like to become the first insect politician. I'd like to, but.... I'm an insect.... who dreamed he was a man, and loved it. But now the dream is over, and the insect is awake." [fonte]

 

Há muito insecto por aí. Mesmo.

publicado por Jorge A. às 19:02
link do post | comentar
Quinta-feira, 12 de Março de 2009

Estratégia de Marketing

 

Começo a desconfiar que todo o marketing político do PSD é inspirado em Pedro Abrunhosa. Os óculos escuros de Ferreira Leite, a estratégia de silêncio, o pedido de calma por parte de Santana Lopes...

publicado por Jorge A. às 09:48
link do post | comentar | ver comentários (4)
Segunda-feira, 9 de Março de 2009

NeoGore

Prince Charles: 100 months to save the world

 

Se ele diz eu acredito.

publicado por Jorge A. às 12:42
link do post | comentar | ver comentários (5)
Terça-feira, 10 de Fevereiro de 2009

Dois Livros Indispensáveis

 

Ora aqui está uma parelha de livros que terei muito orgulho em ter cá por casa. E tudo obra das Edições 70 que em 2006 lembraram-se de editar Sobre a Liberdade de John Stuart Mill e agora tem a feliz e oportuna ideia de publicar O Caminho para a Servidão de Friedrich Hayek (via: O Insurgente).

 

publicado por Jorge A. às 13:03
link do post | comentar
Domingo, 18 de Janeiro de 2009

Desonestidade

President 'has four years to save Earth'

Barack Obama has only four years to save the world. That is the stark assessment of Nasa scientist and leading climate expert Jim Hansen who last week warned only urgent action by the new president could halt the devastating climate change that now threatens Earth. Crucially, that action will have to be taken within Obama's first administration, he added.

Alguns pontos sobre o assunto. O primeiro é sobre esta ideia de que a salvação da Terra está dependente do presidente dos Estados Unidos. É certo que o Obama (qual Messias) prometeu a baixa do nível do mar a partir do momento em que fosse eleito, mas mesmo quem parte do pressuposto que o problema do aquecimento global existe e é motivado pelas emissões elevadas de dióxido de carbono, sabe que está longe do poder dos Estados Unidos de só por sí resolverem o problema. Existem por aí uns gráficos interessantes sobre o aumento das emissões futuras da China e da India (que ultrupassam em larga escala as diminuições previstas no mundo ocidental), países que representam cerca de um terço da população mundial e que nem tão cedo vão abdicar do seu desenvolvimento só porque o senhor Hansen está convencido do fim do mundo. O segundo é sobre os incentivos de alguém que dedicou-se nos últimos anos ao estudo do fenómeno aquecimento global e cujo financiamento e prestigio actual (especialmente este último) advém do fenómeno ter ganho eco mediático. O que seria de Hansen (ou de Al Gore) se o público e as entidades públicas remetessem o assunto do aquecimento global ao esquecimento? O terceiro ponto é sobre o prazo limite de actuação, atirado ao ar, e nem por acaso feito para coincidir com o período de duração do primeiro mandato do agora presidente-eleito. Retórica politica no seu melhor, que serve para forçar a acção, mas que de ciência tem muito pouco.

publicado por Jorge A. às 14:00
link do post | comentar | ver comentários (6)

Cinema e Politica

Hollywood and the making of a black president

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 13:56
link do post | comentar | ver comentários (4)

BHO

Obama Fever Driving Double-Digit Magazine Sales Lifts (via: Freakonomics)

 

Sendo certo que Obama ajuda a vender jornais e magazines e que tal deriva, em muito, do encanto que a personagem provoca em boa parte dos leitores. Sabendo de antemão que boa parte do meio não vive na melhor situação financeira. É possível presumir que o sector tem um forte incentivo a não acabar com esse encanto tão cedo. Mas o povo faz bem em desconfiar dos seus politicos e o estado de graça que se antecipa para Obama não é em nada bom sinal.

publicado por Jorge A. às 03:00
link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 12 de Janeiro de 2009

Bush, Cavaco e Falar Verdade

O Presidente norte-americano, George W. Bush, afirmou hoje que "Israel tem direito a defender-se" e que um cessar-fogo "sustentável" só pode ser obtido se o Hamas deixar de disparar rockets sobre Israel. Por outro lado, Bush renovou o seu apelo para que a situação no Médio-Oriente caminhe para a criação de um Estado palestiniano. (aqui)

 

“Não posso deixar de exprimir a minha preocupação com a situação que se vive na Faixa de Gaza e com as suas graves implicações humanitárias”, declarou Cavaco Silva, esta manhã, durante a recepção ao corpo diplomático acreditado em Portugal, que foi a Belém apresentar os cumprimentos de Ano Novo. Depois de 17 dias de bombardeamentos e combates naquele território palestiniano, o Presidente português entende que “é absolutamente necessário, neste momento, que o conflito dê lugar a um cessar-fogo permanente, que permita prestar auxílio aos que dele carecem e criar condições para um diálogo político frutuoso”. (aqui)

 

Qual das duas afirmações tem mais molho? Qual das duas compromete mais o politico que a profere? Alguém tem dúvidas qual a mais popular?

publicado por Jorge A. às 21:25
link do post | comentar

Popularidade

"In certain quarters of Europe, you can be popular by blaming every Middle Eastern problem on Israel. Or you can be popular by joining the International Criminal Court. I guess I could have been popular by accepting Kyoto" George W.Bush

publicado por Jorge A. às 21:20
link do post | comentar | ver comentários (1)
Sábado, 10 de Janeiro de 2009

Em Democracia

Governing Kadima Ties Likud in Israel (via: Margens de erro)

 

Um partido do governo com más perspectivas eleitorais. Uma guerra apoiada pela maioria do povo. Um partido do governo com melhores perspectivas eleitorais. Os politicos governam efectivamente só para o bem comum e o interesse geral ou as suas decisões são influenciadas por interesses pessoais? No caso em questão é óbvia a existência de um incentivo que não pode ser ignorado na avaliação dos motivos que levaram ao conflito actual.

publicado por Jorge A. às 00:14
link do post | comentar
Domingo, 4 de Janeiro de 2009

Bandeirinhas

Se a Europa se cala, que falem os europeus, diz o Daniel Oliveira, depois refere duas datas em dois locais diferenciados onde os europeus podem ir "falar". A que situação se refere o Daniel Oliveira?

 

A. Congo (Rebeldes "mataram mais de 400 no Congo", diz ONG)

B. Sri-Lanka (Exército do Sri Lanka bombardeia guerrilha tâmil no norte)

C. Darfur (Um ano de fracassos em Darfur)

D. Gaza (Guerra de Israel contra o Hamas entra em sua segunda semana)

publicado por Jorge A. às 16:27
link do post | comentar | ver comentários (4)
Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2008

Ministério da Verdade

No brilhante 1984 de George Orwell o Ministério da Verdade é responsável por falsificar a história. A verdade é assim não um produto concreto da realidade dos factos, mas a leitura dos acontecimentos tal como o governo pretende. Infelizmente, nos dias que correm a ficção de Orwell há muito que assemelha-se à realidade.

 

Por isso não é de estranhar que quando muitos paises do hemisfério norte são afectados por uma onda de frio como há muito não se via e sabe-se que a temperatura média de 2008 vai ser a mais baixa do século XXI, a Associated Press tenha uma história como esta: Obama left with little time to curb global warming

 

O que mais me custa é ver pessoas minimamente inteligentes afirmarem que a subida de temperatura é notória a cada ano que passa (como se fosse possível fazer ciência com origem num feeling). Reparem que este facto é alheio à discussão da existência da tendência de aquecimento global, das causas da existência do aquecimento global, ou dos efeitos nefastos do aquecimento global - todas coisas muito interessantes de discutir. O que me causa impressão é que por esse feeling muitos aderem facilmente à teoria de que o mundo vai no mau caminho, que o CO2 é o responsável e os politicos precisam de agir (o engraçado é que muita desta gente não consegue, vá-se lá descobrir porquê, agir individualmente - quantos acreditam no aquecimento global e vão de carro para o emprego podendo ir de transporte público?). 

 

No entanto, o ano mais quente (nas próprias medições dos crentes) continua a ser 1998 (facto que explicam com o El Nino) e também nenhum dos últimos três anos excedeu a temperatura média de 2005. Como se explica assim a crença de tão boa gente que o aquecimento global é palpável? Está à vista de todos e só não vê quem não quer ver (uma frase recorrentemente utilizada que de argumento válido nada tem)? Bem, basta dar uma consulta pelos media tradicionais para o perceber (e a noticia da AP que cito acima é bastante ilustrativa). Quantos já ouviram falar ou leram noticias que davam conta do degelo no Ártico? Ao mesmo tempo, quantas vezes somos informados que o Antártico sobre efeito contrário?

 

Leitura Aconselhada: When looking at data, the environment is a mixed bag pelo Bjorn Lomborg, bem como toda esta sequência de posts do André Azevedo Alves: O aquecimento global não perdoa I, II, III, IV, V e VI.

publicado por Jorge A. às 02:54
link do post | comentar | ver comentários (2)
Sábado, 6 de Dezembro de 2008

Culpa

A propósito da crise financeira não há gente que apareça na televisão, da esquerda à direita, que não venha com a treta que a crise prova que os fundamentalistas do mercado estavam errados, que o neo-liberalismo morreu, e coisa e tal. Eu acho particularmente engraçada a coisa. Olhemos por exemplo para o caso português, digam-me um, um só politico português cuja escola de pensamento económica fosse liberal? Um só ministro das Finanças cujo fundamento da governação fosse o laissez-faire? Não há. A coisa chega a atingir contornos ridiculos quando alguns lideres fazem de conta que o poder não foi seu nos últimos anos e vão agora, qual dom quixote, resgatar a economia das malhas do neo-liberalismo e impôr uma nova ordem mundial - exemplo máximo nesse fantástico ser que é Durão Barroso que procura salvar a Europa de uma crise que certamente, nem questionem tal facto, não tem em nada culpa dele. Isto é cómico, não fosse trágico.

 

Na Europa tivemos no poder das três maiores nações europeias lideres como Tony Blair, Gordon Brown, Jacques Chirac, Nicolas Sarkozy, Gerard Schroder e Angela Merkel. Nem um estadista e todos liberais como se sabe - para melhorar a coisa, três deles estão inclusivamente na linha da frente do restabelecimento da economia mundial, cujo caos nada tem de culpa deles ou dos que os antecederam. Ponto assente. Não discuto.

 

Talvez a verdade seja outra, quando atiram as culpas para os neo-liberais querem simplesmente atirar a culpa para a potência económica mundial a que associam essas prática: os Estados Unidos. Mas a pergunta mais uma vez coloca-se: em tom sério, alguém é capaz de apontar George Bush como um liberal? Um defensor do mercado livre e desregulado? Do estado pequeno e com pouca interferência na vida económica do país? Com base em que politica? Na que não existiu? Não foi por acaso que Obama, um democrata com uma visão politica social-democrata, obteve em várias sondagens a vantagem no voto liberal norte-americano (ou libertário, se preferirem, para que não fiquem dúvidas).

 

Os liberais tornaram-se o tubo de escape que todas as culpas suportam e de todos os males são responsáveis. O facto de a maior parte dos orgãos de poder e do mainstream económico nunca ter cedido ao liberalismo (contrariamente ao que alguns fazem por crer) pouco importa. O que importa é perpetuar o poder e para o perpetuar nada melhor do que atribuir a culpa aos outros - com um pouco de sorte e habilidade politica ainda vêem o seu poder reforçado.

 

Os mesmos politicos de sempre vão continuar a governar-nos e os mesmos economistas de sempre vão continuar a mandar os seus bitaites na televisão. É aquilo que se chama, plagiando a campanha de Obama, mudança em que se pode acreditar. Entretanto, um pouco à semelhança da mão de Adam Smith, os invisiveis dos neo-liberais que dominavam o mundo e impunham a sua ideologia são dados como vencidos.

 

A sociedade pode deleitar-se de contente com o caminho escolhido, os inimigos derrotados, um novo mundo renasce, rumo à próxima crise...

publicado por Jorge A. às 03:08
link do post | comentar | ver comentários (4)
Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2008

Unintended Consequences

A propósito de uma campanha que corre entre os democratas norte-americanos (I Only Sleep with Democrats), vale a pena ler Will Wilkinson:

Implicit in this message is that the bodies of faithful Democratic women are tools for securing the success of Democratic politicians and their clients. For what is the sexual life of a young woman if not a means to the greater glory of the Service Employees International Union? What is casual fornication if not a Duty to the Party. Of course the sexual psychology of all this fails. First, cheap talk. Second, there is more than a whiff of pathetic desperation in “Blue Balled” to brand sensitive intellectual artsy guys as the guys you really ought to want to screw. But the best sex is dirty, dirty transgressive sex. All this lame agitprop could just as easily redound to the benefit of the Young Republican with the popped collar who promises to give appalled Obama girls “the surge.” And an “I Only Sleep With Democrats” shirt on a guy might turn out to be a great way to pick up Republican lasses. Oh, the paradox that is the sexual mind!

E não podia faltar o video da campanha em causa:

publicado por Jorge A. às 22:32
link do post | comentar | ver comentários (1)
Domingo, 23 de Novembro de 2008

Sócrates 2.0 (II)

Obama menos ambicioso que Sócrates no emprego (via: O Insurgente)

Com efeito, os 150 mil novos empregos anunciados então representavam um aumento de 2,9% da população empregada portuguesa, enquanto os 2,5 milhões de Obama não vão além de 1,7% da massa trabalhadora norte-americana.

 

É que o Governo português contava criar 150 mil empregos, essencialmente por via do crescimento económico e pela melhoria das qualificações dos portugueses. Já Barack Obama aposta sobretudo no investimento público, tendo sublinhado que os novos empregos estarão associados à construção de estradas e pontes, à modernização das escolas e à construção de infra-estruturas de energias alternativas.

Por outros palavras, Sócrates nunca foi honesto na sua promessa e Obama é (chamam-lhe falta de ambição, funny). Sócrates prometeu algo que não era da sua dependência criar, Obama promete algo que pode cumprir. Para além disso o primeiro dava a entender que os novos empregos seriam saldo liquido face aos empregos criados e aos destruidos (não se aceite este ponto, e a promessa era não só pouco ambiciosa, como estúpida: era mais que certo que num mandato governamental, o sector privado criaria ao todo mais empregos do que o número em causa), já o segundo promete criar emprego com o dinheiro do contribuinte para compensar o mais que certo aumento do desemprego no sector privado. O primeiro mina a democracia, o segundo não (mesmo porque o segundo já fala na condição de eleito e não de quem se procura eleger, como fez o primeiro). Mas o essencial mantém-se, a proposta de Obama é, para mim, nos seus pressupostos errada. Contudo, o termo de comparação mais correcto para com o governo de Sócrates não é essa famosa promessa dos 150 mil novos empregos (a distinção inglesa entre politics e policy era muito bem aplicada a esse caso), mas muito mais a visão socialista do investimento público como o motor da economia, transposta no seu programa de grandes obras públicas como o TGV e o novo aeroporto de Lisboa.

publicado por Jorge A. às 16:05
link do post | comentar
Quarta-feira, 8 de Outubro de 2008

Um Por Cento

Sim, o pessoal da bloga anda chateado com o Pacheco Pereira por causa daquela declaração na quadradura do circulo de que na blogosfera só se aproveitarem cerca de um por cento dos blogues, mas com textos destes passa-me a chatice em três tempos:

Desta crise internacional vai ficar mais alguma coisa do que os estragos financeiros e económicos, vão ficar os estragos nas ideias, com a ascensão das piores e velhas ideias sobre o estado e o socialismo, que olham para o lado e dizem: "estão a ver como o capitalismo é como nós dissemos", etc., etc. [...] Mas há pelo menos um passo seguinte desta crise que convém desde já revelar: é que, se aumentar o peso do estado na economia, se se entrar num processo de hiper-regulação, que na prática vai dar ao poder político instrumentos para uma maior intervenção na economia real, ou seja, torna-la irreal, o próximo passo vai ser o proteccionismo na Europa. Sim porque com esta receita a produtividade da economia europeia vai diminuir significativamente, e na competição global isso só pode sobreviver com maior proteccionismo.

E o proteccionismo torna-nos a todos mais pobres. Por mim, mantenho uma esperança ténue que tenhamos aprendido com os erros do passado, por outro lado, acho que estamos condenados a repeti-los... com as suas diferenças, este caminho leva à crise de 1929 all over again.

publicado por Jorge A. às 01:16
link do post | comentar | ver comentários (4)
Terça-feira, 30 de Setembro de 2008

Think About It

No post anterior a este digo que os congressistas americanos estão todos em campanha eleitoral. Errei. A maior parte está. Alguns não irão recandidatar-se. Adivinhem qual o sentido de voto da maioria destes? O Nate Silver talvez esclareça.

publicado por Jorge A. às 22:26
link do post | comentar
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Mais sobre mim

Contacto

jorgeassuncao@europe.com

Subscrever feeds

Pesquisar neste blog

Links

Add to Technorati Favorites

Arquivos

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Secções

desporto(383)

politica nacional(373)

cinema(291)

economia(191)

música(136)

ténis(132)

humor(131)

futebol(130)

eleições eua(118)

estados unidos(115)

portugal(115)

blogs(109)

miúdas giras(93)

jornalismo(88)

politica internacional(87)

governo(79)

televisão(74)

blogosfera(69)

oscares(68)

pessoal(55)

todas as tags

blogs SAPO

 

Twingly BlogRank