Sábado, 26 de Dezembro de 2009

Desejos para 2010 (5 de 10)

Que o processo Casa Pia chegue ao fim. O facto de podermos manifestar este desejo para o ano de 2010, tantos anos após o ínicio do processo, é vergonhoso.

Secções: ,
publicado por Jorge Assunção às 21:00
link do post | comentar
Sexta-feira, 11 de Dezembro de 2009

Segredo de justiça

Parte interessante da entrevista de Judite de Sousa a Armando Vara foi aquela em que o entrevistado confirmou ter recebido uma carta anónima a avisar que Sócrates estava a ser apanhado em escutas, mas, apesar disso, nada disse ao seu amigo, mesmo porque não deu qualquer importância ao que lá era dito. Percebe-se porque mente (e só não diz que a carta era de amor porque a judiciária teve acesso a ela), é que perante estas notícias como é que um gajo deve reagir quando ouve o primeiro-ministro muito preocupado com a revelação de escutas que violam o segredo de justiça ou coisa que o valha. De resto, fico muito contente quando Vara afirma que pretende levantar o segredo de justiça do seu processo, afinal, Vara só pretende facultar aos outros aquilo que há muito lhe estava facultado.

Secções:
publicado por Jorge Assunção às 14:00
link do post | comentar
Sábado, 28 de Novembro de 2009

Não falemos, pois então...

Soube-se hoje que o Segredo de Justiça no caso Face Oculta foi violado no fim de Junho, 4 meses antes de a violação ter chegado aos jornais. Essa violação do Segredo de Justiça favoreceu os suspeitos e a classe política associada. Só mesmo seguindo o conselho de Passos Coelho de não falar no assunto é que se pode preservar a credibilidade das instituições. Note-se que algo semelhante já tinha acontecido no caso Casa Pia. Alguns dos suspeitos souberam que estavam a ser investigados através de circuitos de informação ligados às tais “instituições” dias antes de o assunto ter sido tornado público pelos jornais.

 

João Miranda, no Blasfémias. E em quantos outros casos aconteceu o mesmo. Não foi Pinto da Costa avisado das buscas a sua casa e do mandato de detenção? Pois...

publicado por Jorge Assunção às 12:00
link do post | comentar
Domingo, 22 de Novembro de 2009

No país faz de conta

Anda tudo num alvoroço porque existem umas escutas que confirmam que o primeiro-ministro mentiu na Assembleia da República quando se pronunciou sobre o caso TVI. Peço desculpa, meus caros, mas a mentira era evidente há muito. Só compreendo o barulho como manobra para manter o tema escutas ao primeiro-ministro à tona de água, mesmo porque, aparentemente, o conteúdo destas vai muito para além da descoberta que o primeiro-ministro mentiu. Ainda sobre a mentira, não é de negar a sua gravidade, mas o que nego é que o assunto só mereça atenção agora.

 

Em segundo lugar, também anda tudo em alvoroço porque a Sábado fez uma investigação onde apurou que os orgãos de comunicação sociais, nomeadamente o Público e o Sol, foram prejudicados pela publicidade feita por entidades de capital público. Ora, meu caros, mas alguém não sabia que assim era? Mais uma vez, não nego a gravidade do assunto, nego é que o assunto só mereça atenção agora.

 

No fundo, este é o país do faz de conta. Todos (ou quase todos, há sempre um ou outro mais ingénuo) sabemos o que se passa, mas ficamos à espera da confirmação do óbvio para abordarmos as coisas tal como elas são e para atribuir-lhes a gravidade de que se revestem. Outros há que, mesmo perante a descoberta do óbvio, continuam a tratar o assunto com pinças, não porque não saibam a gravidade do assunto em causa, mas sabem que o visado, o actual governo, mais propriamente o primeiro-ministro, é da sua área, e suspeitam que outro que lá vá parar, de outra área política, deixará tudo na mesma, por isso, mal por mal, antes este que outro. Estes últimos rapidamente evoluem para os que já nada de grave vêem nestas coisas: porque as coisas são o que são e sempre foram assim.

 

Portanto, meus caros, deixemos o primeiro-ministro descansar. Como não podem compreender essa primeira garantia que a sociedade portuguesa nos reserva: as coisas são o que são e sempre foram assim. Sempre foram assim e assim hão-de ser no futuro. Qualquer luta contra isso é uma luta inglória.

publicado por Jorge Assunção às 19:00
link do post | comentar | ver comentários (2)
Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009

O Sorriso do Penedos

É certo que pode dever-se à minha irritação para com o facto de José Penedos ainda manter-se como presidente em funções da REN, mas não deixei de ficar incomodado com o sorriso que o homem ostentava no dia em que era ouvido no âmbito de um processo onde é suspeito de um crime grave. O sorriso pode não revelar propriamente o que vai na alma de Penedos, mas fiquei com a impressão que estava ali alguém a gozar com a nossa justiça. Afinal, com a quantidade de gente grauda que não está na prisão (mas merecia, definitivamente merecia), talvez a justiça mereça mesmo ser alvo de algum gozo. Penedos ri não sei bem do quê, eu rio para não chorar.

Secções:
publicado por Jorge Assunção às 14:30
link do post | comentar
Domingo, 15 de Novembro de 2009

Grupinhos

Secções: ,
publicado por Jorge Assunção às 14:00
link do post | comentar | ver comentários (3)
Quinta-feira, 12 de Novembro de 2009

Isaltino não diria melhor

Marinho Pinto, na SIC, comentando o caso do momento: "Já chega. Este homem (Sócrates) ganhou duas eleições seguidas".

publicado por Jorge Assunção às 20:50
link do post | comentar | ver comentários (3)

Sócrates e Pinto da Costa

O cargo de José Sócrates não é o cargo de Pinto da Costa. Era bom que na abordagem das suspeições que pairam sobre o primeiro-ministro não as tratássemos como se fossem suspeições sobre o presidente de um clube de futebol.

Secções: ,
publicado por Jorge Assunção às 16:30
link do post | comentar

Confiar na justiça

Três juízes do Tribunal da Relação do Porto que participaram no acórdão que absolveu a empresa O2 - Tratamento e Limpezas Ambientais, SA de pagar 105 mil euros à Refer - Rede Ferroviária Nacional estranham que Manuel José Godinho, preso preventivamente no âmbito da operação Face Oculta, tenha sido apanhado numa escuta telefónica com Armando Vara a dizer que ganhou o caso, quatro dias antes da decisão ter sido assinada por aqueles juízes. E não conseguem explicar a eventual fuga de informação.

Secções: ,
publicado por Jorge Assunção às 14:13
link do post | comentar | ver comentários (1)
Quarta-feira, 11 de Novembro de 2009

Facto objectivo

Se as escutas a José Sócrates são nulas, tal resulta de uma lei aprovada durante a legislatura anterior, em que José Sócrates era primeiro-ministro. Tivesse este caso acontecido com Durão Barroso, António Guterres ou Santana Lopes, e as escutas não poderiam ser anuladas com o pretexto invocado.

publicado por Jorge Assunção às 17:30
link do post | comentar
Terça-feira, 10 de Novembro de 2009

E eu confio que é a decisão correcta

Face Oculta: Supremo diz que escutas a Sócrates são nulas

 

Afinal, só ainda não percebeu quem não quer: Sócrates é intocável. Infelizmente, não é intocável à maneira de Eliot Ness e dos elementos do seu grupo, aos quais a expressão "os intocáveis" derivava do facto de serem homens incorruptíveis. Intocáveis, portanto, porque eram homens íntegros, que não se deixavam tocar pela sujeira. Mas longe disso no caso do nosso primeiro: Sócrates é intocável à maneira de Al Capone. É isso que penso. E Noronha de Nascimento, obviamente, não é nenhum Eliot Ness.

 

publicado por Jorge Assunção às 15:00
link do post | comentar | ver comentários (5)
Quinta-feira, 5 de Novembro de 2009

Um retrato da sociedade

A aprovação no exame de condução era passível de ser comprada (bastava dar uma palavrinha ao instrutor uns dias antes, e no próprio dia do exame, levávamos o envelope com determinda importância, colocava-se o envelope no porta luvas do carro e estava garantida a aprovação - instrutor e examinador tinham mais um rendimento extra). Na aquisição de habitação era (quase) sempre declarado um valor inferior ao efectivamente pago (o construtor tinha menos lucro para apresentar ao fisco e o comprador pagava menos taxas). Não era dificil, quando apanhados pela brigada de trânsito a cometer uma infracção, assinalar com determinado valor monetário e sair impune (o polícia obtia um rendimento extra e o infractor poupava a diferença entre o valor utilizado para corromper o polícia e o valor da multa e as consequência que dai podiam advir). Boa parte das pessoas tem isto bem presente na memória e se, entretanto, algumas destas coisas mudaram, não é menos verdade que existiram e muitas das pessoas não só têm estas coisas na memória, como terão usufruido uma ou outra vez destas. É por isso que muitos aceitam perdoar o político corrompido e o empresário que corrompe, é por isso que não desejam que estes sejam julgados de forma dura. Na sua consciência, pesa o facto de que, se estes agora merecem pena dura, também eles, outrora, não agiram melhor (à escala do que lhes era possível, é certo) e mereciam igual sorte.

 

Há uma história, aqui das redondezas da zona onde vivo, que ilustra bem o tipo de justiça que temos: existe um elemento da brigada de trânsito que enriqueceu como que do dia para a noite. Os sinais exteriores de riqueza substanciavam-se, entre outras coisas, numa vivenda que havia construido e nos carros que possuia. Na povoação, falava-se constantemente, com surpresa, da proveniência do dinheiro que teria permitido aquela nova vida. Suspeitavam que a profissão do sujeito não era alheia ao estilo de vida, mas as coisas não passavam da suspeita. Mais tarde, existiram fortes indicios, descobertos pela própria instituição, de que o sujeito era corrupto. Qual foi o castigo do homem? Foi remetido para trabalho de secretaria e ainda lá está. Foi esta a pena dura do homem.

 

Ou as gerações mais novas começam a ser criadas num ambiente diferente, ou arriscamos prolongar esta sociedade que convive bem com a corrupção durante longos anos. É que o primeiro passo para mudar este estado de coisas é através da censura social. Maria José Nogueira Pinto lamentava, na Sic Noticias, que essa censura social fosse praticamente inexistente na nossa sociedade. Pois ela é inexistente porque aquele que não se sente limpo, não se atreve a julgar e condenar de forma dura o sujo. Mas tratem, ao menos, e a bem da evolução da nossa sociedade, de não sujar as gerações mais novas.

Secções: ,
publicado por Jorge Assunção às 13:42
link do post | comentar | ver comentários (5)
Quarta-feira, 4 de Novembro de 2009

Seguir o exemplo

Armando Vara suspendeu funções como administrador do BCP, o que espera José Penedos, presidente da REN, para fazer o mesmo?

Secções: ,
publicado por Jorge Assunção às 11:49
link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 2 de Novembro de 2009

Meia dúzia de linhas que contam muito

Paulo Penedos: o homem que correu para líder do PS: É amigo do secretário de Estado Marcos Perestrello e de Sérgio Sousa Pinto, uma geração que fez percurso político na 'jota'. [...] Paulo esteve ao lado de José Sócrates quando este se candidatou a secretário geral do PS.

publicado por Jorge Assunção às 15:30
link do post | comentar
Sexta-feira, 30 de Outubro de 2009

Face Oculta

Toda esta rede tentacular que envolvia o presidente de uma grande empresa pública, o administrador de um dos maiores bancos nacionais, e um empresário miúdo que de forma suspeita se transformou rapidamente em gente grande, o que é possível concluir sobre a forma como os negócios são feito em Portugal? Alguém dúvida da podridão a que isto chegou?

 

Como a política é cada vez mais necessária para fazer avançar os negócios em Portugal, alguém pode deixar de pensar no caso dos contentores em Lisboa e na Mota Engil do Jorge Coelho. No caso do aeroporto, do TGV, e como o ministro Mário Lino defendeu-os com unhas e dentes, a quem serve estes projectos? A quem serve os governantes medíocres que temos tido? Os submarinos do Portas. Os sobreiros do Abel Mateus. O Banco do Oliveira e Costa e do Dias Loureiro. O Freeport, o que é afinal o Freeport? O que aconteceu ao processo Casa Pia assim que tocou em políticos? O que aconteceu ao juiz Rui Teixeira?

 

Todos os partidos convivem com a podridão e parece que já não se incomodam com o cheiro nauseabundo. Os que tentam de alguma forma lutar contra a podridão são arrumados a um canto, atirados para fora do sistema, ou acabam por desistir e apodrecem com o sistema. Mas dentro dos partidos existem pessoas honestas e de valor considerável, não dúvido, recuso-me a imaginar outro cenário. É tempo de deixar de acreditar nisso de que são 'todos iguais', ou, quando os consideramos 'todos iguais', estamos a incluir-nos no saco? É que os políticos são produto da sociedade, constituindo, portanto, um espelho desta. Quando os designamos por 'todos iguais', estamos automaticamente a dizer que também aqueles que estão fora do sistema, aqueles cuja participação activa na política limita-se ao voto (se chega a isso), são iguais a tais políticos medíocres e incompetentes? É isso.

 

Desculpem-me, mas não aceito essa tese. Não aceito porque, em primeiro lugar, não quero ser atirado para esse saco e, em segundo lugar, não aceito que atirem todos os outros para esse saco. Quem se mete no saco, meta-se. Fique lá, habitue-se à podridão. Diga que são 'todos iguais', por descarga de consciência, porque a partir do momento em que são todos iguais, como pode o que considera que assim é, não ser também igual a eles?

 

Ah, claro que percebo! Se são 'todos iguais', não faz mal votar no comprovado corrupto, como Isaltino Morais. Se são 'todos iguais', não faz mal imaginar-me na posição destes a actuar de igual forma. Se são 'todos iguais', quando, à minha escala, recorro a artificios semelhantes, estou automaticamente perdoado, porque são 'todos iguais'. 

 

São 'todos iguais', meus caros. Por isso, o empresário está automaticamente perdoado por procurar corromper o político para favorecer-lhe o negócio. O político está automaticamente perdoado por deixar-se corromper e favorecer o empresário. E o povo está automaticamente perdoado por votar em tais políticos. São 'todos iguais'. Azar daquele que, sendo igual a todos os outros, é apanhado pela justiça. Como pode a justiça julgar quando são 'todos iguais'? É injusto julgar o igual de forma diferente. Mais do que isso, também o juiz é igual ao que julga. Repito: são 'todos iguais'.

publicado por Jorge Assunção às 18:49
link do post | comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 29 de Outubro de 2009

Recordar, para não esquecer

De empregado de balcão a administrador: Vara sempre foi bem visto no PS. Através do seu amigo José Sócrates aproximou-se de Guterres e, após a vitória socialista nas legislativas de 1995 foi nomeado secretário de Estado da Administração Interna.

publicado por Jorge Assunção às 12:20
link do post | comentar | ver comentários (4)

Do mesmo barro

Armando Vara arguido na operação Face Oculta. Este, que subiu na carreira como uma flecha, sem qualquer currículo que o justificasse, é do mesmo barro do outro, do que é primeiro-ministro. Não espero que a justiça faça grande coisa com ele, uma vez que da justiça, tal como da política, emana um cheiro insuportável. O cheiro da podridão.

publicado por Jorge Assunção às 10:30
link do post | comentar | ver comentários (2)
Segunda-feira, 19 de Outubro de 2009

Informação privilegiada

Valorização da Mota-Engil accionou alarme do regulador. É praticamente certo que alguém ganhou uns trocos com a situação, mas a dificuldade é provar. Aqui há uns tempos, o filho de um empresário muito conhecido da praça pública, aproveitando um negócio onde o pai estava envolvido, obteve uma mais valia em bolsa considerável. O caso, de tão evidente, levou à sua condenação. A multa monetária aplicada representou metade da mais valia que havia feito em bolsa. Conclusão: em Portugal compensava não cumprir a lei. Há quem diga que hoje em dia compensa menos, quando não compensa de todo, mas, enfim, tenho as minhas dúvidas...

Secções: ,
publicado por Jorge Assunção às 18:40
link do post | comentar | ver comentários (2)
Quarta-feira, 14 de Outubro de 2009

Roman Polanski

A youthful error? Yes, perhaps.

But he's been punished for this lapse--

For decades exiled from LA

He knows, as he wakes up each day,

He'll miss the movers and the shakers.

He'll never get to see the Lakers.

For just one old and small mischance,

He has to live in Paris, France.

He's suffered slurs and other stuff.

Has he not suffered quite enough?

How can these people get so riled?

He only raped a single child.

Why make him into some Darth Vader

For sodomizing one eighth grader?

This man is brilliant, that's for sure--

Authentically, a film auteur.

He gets awards that are his due.

He knows important people, too--

Important people just like us.

And we know how to make a fuss.

Celebrities would just be fools

To play by little people's rules.

So Roman's banner we unfurl.

He only raped one little girl.

 

(fonte)

publicado por Jorge Assunção às 10:31
link do post | comentar
Sexta-feira, 2 de Outubro de 2009

Rouba, mas faz

Sondagem: Isaltino arrasa em Oeiras

 

Num país onde não é possível acreditar na justiça e todos os políticos são olhados com a mesma desconfiança, não admira que Isaltino Morais possa ganhar. Relembre-se que é o concelho que possui, percentualmente, o maior número de licenciados e doutorados no país. Avançar Portugal!

publicado por Jorge Assunção às 12:06
link do post | comentar | ver comentários (5)
Quarta-feira, 30 de Setembro de 2009

Mas entretanto...

... e porque não sou ingénuo e sei que algumas coisas que o PR disse ontem são verdade, nomeadamente a tentativa socialista para colar Cavaco a Ferreira Leite (recordem, por exemplo, a roubalheira do caso BPN), segundo percebi, as buscas sobre financiamento partidário no âmbito do processo de compra de submarinos seriam efectuadas em plena campanha eleitoral por opção do ministério público e só o bom senso do juiz que deu a ordem para as mesmas é que evitou que tal acontecesse. Não tarda e o PS vencia mesmo com maioria absoluta e lá se iam os 10% de Paulo Portas e do CDS/PP. Perigoso mundo o que vivemos. Acreditem!

publicado por Jorge Assunção às 11:42
link do post | comentar | ver comentários (4)
Sábado, 19 de Setembro de 2009

Independência Judicial

PS chumba ‘Muito bom’ de juiz Rui Teixeira. Este caso é muito mais grave que qualquer compra de votos na distrital lisboeta do PSD. Claro que os jornalistas não lhe darão a importância merecida. Compreende-se, nem ninguém quer acabar como o juiz Rui Teixeira, nem ninguém quer acabar como Manuela Moura Guedes ou José Manuel Fernandes.

Secções: ,
publicado por Jorge Assunção às 19:19
link do post | comentar | ver comentários (4)
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Mais sobre mim

Contacto

jorgeassuncao@europe.com

Subscrever feeds

Pesquisar neste blog

Links

Add to Technorati Favorites

Arquivos

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Secções

desporto(383)

politica nacional(373)

cinema(291)

economia(191)

música(136)

ténis(132)

humor(131)

futebol(130)

eleições eua(118)

estados unidos(115)

portugal(115)

blogs(109)

miúdas giras(93)

jornalismo(88)

politica internacional(87)

governo(79)

televisão(74)

blogosfera(69)

oscares(68)

pessoal(55)

todas as tags

blogs SAPO

 

Twingly BlogRank