2 comentários:
De Tiago R Cardoso a 15 de Dezembro de 2008 às 19:28
isto dava para um debate entre nós...

assim de repente fiquei quase com a certeza que tu acreditas que está tudo bem, certo ?

De Jorge A. a 15 de Dezembro de 2008 às 20:02
"assim de repente fiquei quase com a certeza que tu acreditas que está tudo bem, certo ?"

Eu nem acho que está tudo bem, nem acho que está tudo mal. Simplesmente reconheço que não percebo tudo e do que sei e li sobre o assunto (entre criticos e fervorosos adeptos) tenho as mais sérias dúvidas sobre toda a teoria em torno do aquecimento global. A única certeza que tenho é que outros, que deviam ter dúvidas, não as têm - o que me deixa perplexo e que não será alheio ao facto da teoria andar a ser vendida nos meios de comunicação social (teoria vendida acima de tudo não por cientistas, mas por politicos e jornalistas).

O meu problema resume-se à resposta às seguintes perguntas:
1. O aquecimento global existe? E existindo, vai manter-se durante muito mais tempo?
2. É provocado pelo Homem ou é algo natural?
3. De que forma o aquecimento global pôe em causa a sobrevivência do Homem?

Repara que em relação à primeira eu estou convencido que sim, é factual, a terra apresentou uma tendência de temperatura crescente ao longo das últimas dezenas de ano (estou menos convencido que se vá manter).

Em relação à segunda a resposta é, no minimo, duvidosa. Mesmo os "crentes" admitem que a prova não está totalmente estabelecida. Mesmo porque existem outros fenómenos na história da Terra que também provocaram mudanças climáticas tremendas em que a participação do homem é inexistente: idade do gelo, o dust bowl nos EUA, etc...

E, por fim, quanto à terceira, tu certamente que terás bons exemplos de locais do globo onde o aquecimento da temperatura média causaria problemas à forma de vida que lá levam, mas garanto-te que existem também muitos outros locais no planeta onde uma subida da temperatura média seria muito bem recebida e aumentaria a qualidade de vida.

Só mais uns pontos:
4. a poluição enquanto factor maligno não está aqui em discussão. Querer diminuir a poluição (atribuindo-lhe um preço se for caso disso) porque a mesma é prejudicial à saúde humana e afecta recursos de todos é uma coisa, querer acabar com a poluição porque irá provocar o fim do mundo é outra coisa totalmente diferente.
5. contudo, mesmo assumindo que a poluição é um mal em si e deve ser combatida, importa perceber qual o custo do seu combate no bem estar e perda de riqueza da população enquanto um todo. Dito de outra forma, alguma vez o bem estar com o fim da poluição é superior ao bem estar ganho pela coisas produzidas que levam à sua existência?

Comentar post