Sábado, 31 de Outubro de 2009

Assim vai o jornalismo em Portugal

Há, entre os jornalistas, os que inventam histórias com base em fontes anónimas e os que, mesmo atribuindo nomes aos visados, não deixam de continuar a inventar histórias. Percebo que nos tempos que correm, para além das fontes anónimas tão uteis para criar factos políticos, os jornalistas adorem referenciar Pacheco Pereira, sempre associando ao seu nome histórias de teor negativo. Não lhe perdoam a cruzada contra o pobre jornalismo que temos, nem o apoio a Ferreira Leite. Mas tenho um conselho para boa parte desses jornalistas: em vez de fazerem jornalismo, dediquem-se ao romance ficcionado. É que nota-se o jeito para a coisa. Claro que, infelizmente, bem sei como boa parte destas histórias ficcionadas nem são obra e arte da mente do jornalista, mas do intriguista político obscuro, que movimenta-se pelos subterrâneos político-jornalisticos com a sua agenda.

publicado por Jorge Assunção às 16:00
link do post | comentar | ver comentários (4)
Sexta-feira, 30 de Outubro de 2009

Face Oculta

Toda esta rede tentacular que envolvia o presidente de uma grande empresa pública, o administrador de um dos maiores bancos nacionais, e um empresário miúdo que de forma suspeita se transformou rapidamente em gente grande, o que é possível concluir sobre a forma como os negócios são feito em Portugal? Alguém dúvida da podridão a que isto chegou?

 

Como a política é cada vez mais necessária para fazer avançar os negócios em Portugal, alguém pode deixar de pensar no caso dos contentores em Lisboa e na Mota Engil do Jorge Coelho. No caso do aeroporto, do TGV, e como o ministro Mário Lino defendeu-os com unhas e dentes, a quem serve estes projectos? A quem serve os governantes medíocres que temos tido? Os submarinos do Portas. Os sobreiros do Abel Mateus. O Banco do Oliveira e Costa e do Dias Loureiro. O Freeport, o que é afinal o Freeport? O que aconteceu ao processo Casa Pia assim que tocou em políticos? O que aconteceu ao juiz Rui Teixeira?

 

Todos os partidos convivem com a podridão e parece que já não se incomodam com o cheiro nauseabundo. Os que tentam de alguma forma lutar contra a podridão são arrumados a um canto, atirados para fora do sistema, ou acabam por desistir e apodrecem com o sistema. Mas dentro dos partidos existem pessoas honestas e de valor considerável, não dúvido, recuso-me a imaginar outro cenário. É tempo de deixar de acreditar nisso de que são 'todos iguais', ou, quando os consideramos 'todos iguais', estamos a incluir-nos no saco? É que os políticos são produto da sociedade, constituindo, portanto, um espelho desta. Quando os designamos por 'todos iguais', estamos automaticamente a dizer que também aqueles que estão fora do sistema, aqueles cuja participação activa na política limita-se ao voto (se chega a isso), são iguais a tais políticos medíocres e incompetentes? É isso.

 

Desculpem-me, mas não aceito essa tese. Não aceito porque, em primeiro lugar, não quero ser atirado para esse saco e, em segundo lugar, não aceito que atirem todos os outros para esse saco. Quem se mete no saco, meta-se. Fique lá, habitue-se à podridão. Diga que são 'todos iguais', por descarga de consciência, porque a partir do momento em que são todos iguais, como pode o que considera que assim é, não ser também igual a eles?

 

Ah, claro que percebo! Se são 'todos iguais', não faz mal votar no comprovado corrupto, como Isaltino Morais. Se são 'todos iguais', não faz mal imaginar-me na posição destes a actuar de igual forma. Se são 'todos iguais', quando, à minha escala, recorro a artificios semelhantes, estou automaticamente perdoado, porque são 'todos iguais'. 

 

São 'todos iguais', meus caros. Por isso, o empresário está automaticamente perdoado por procurar corromper o político para favorecer-lhe o negócio. O político está automaticamente perdoado por deixar-se corromper e favorecer o empresário. E o povo está automaticamente perdoado por votar em tais políticos. São 'todos iguais'. Azar daquele que, sendo igual a todos os outros, é apanhado pela justiça. Como pode a justiça julgar quando são 'todos iguais'? É injusto julgar o igual de forma diferente. Mais do que isso, também o juiz é igual ao que julga. Repito: são 'todos iguais'.

publicado por Jorge Assunção às 18:49
link do post | comentar | ver comentários (1)

Venha o diabo e escolha

Pedro Passos Coelho, acarinhado desde há muito pelas suas tropas, é candidato assumido à liderança do PSD, do outro lado, numa estratégia bem montada revelada ontem, a tropa sobrante deve ter contado espingardas e decidido que Marcelo Rebelo de Sousa é o general indicado para a batalha. Pois bem, entre um e outro, venha o diabo e escolha.

 

Adenda: bem, para ser sincero, talvez não seja bem como digo, é que só por ver o nervosismo de alguns apoiantes do inconsistente Passos, apoiantes esses que ainda há pouco tempo tentaram mandar o professor para Bruxelas, por ser um óptimo e consistente candidato (não nos esqueçamos disso), faz-me torcer pelo professor Marcelo. Deixemos, então, o diabo descansar: a minha escolha é o professor Marcelo. Candidate-se professor, candidate-se. Ao menos, apesar de excessivamente social-democrata e nada liberal, sempre é mais do que um mero rapazola com boa aparência.

publicado por Jorge Assunção às 13:01
link do post | comentar | ver comentários (4)

Televisão e Ideologia

 

Descubro este gráfico no The Daily Dish. O Andrew Sullivan aproveita para atacar a Fox News, diz este que as outras estações são parciais, mas nenhuma é tão enviezada quanto a Fox News. Pois, mas parece-me a mim que talvez o facto de todas as outras estarem enviezadas para o mesmo lado ideológico, além de não ser um fenómeno menor e insignificante, talvez justifique o enviezamento excessivo da Fox News. E mais, parece-me que se a Fox News tivesse um enviezamento na linha dos restantes canais, então o panorama na televisão norte-americana ainda seria mais pró-Democrata do que é. Ao contrário do que alguns querem fazer crer, a Fox News, com todo o seu enviezamento, é o canal que garante a neutralidade das televisões norte-americanas, ao permitir que o público que assim pretenda, não fique obrigatoriamente exposto ao claro enviezamento a favor da 'esquerda' norte-americana que domina os meios de comunicação social (basta verificar como a maioria dos jornais apoia sempre o candidato democratas nas presidenciais). Dirão: bem, mas podia ao menos ser não mais parcial que os outros. E eu pergunto: se no quadro acima, a Fox News tivesse a mesma parcialidade a favor dos Republicanos que os outros têm para com os Democratas, qual seria a conclusão óbvia a retirar? Que os canais informativos norte-americanos eram excessivamente parciais a favor dos Democratas. Assim, sempre poderá ser alegado que, apesar de todos os outros serem pró-Democratas, o único que é pró-Republicano, é mais pró que os outros todos. O que por sua vez leva à minha conclusão: a Fox News é fundamental para equilibrar o sistema.

publicado por Jorge Assunção às 13:00
link do post | comentar
Quinta-feira, 29 de Outubro de 2009

Sozinho

Sozinho contra a evidência, sozinho contra a História, sozinho contra um continente: tem sido esta a teimosia de Vaclav Klaus, que gostaria de ficar nos livros como o herói que destruiu o Tratado de Lisboa. (via: Filipe Abrantes)

 

Sozinho? É isso mesmo, sozinho. Meia dúzia de governantes mandam, o povo obedece. Na prática, o povo não é ninguém. Mesmo que entre o povo muitos estejam com Klaus, este está sozinho. Porque quem é o povo? O povo não é nada. A meia dúzia de dirigentes medíocres da União Europeia é tudo. Gaspar também não é nada. É a este estado de coisas que chegou o pensamento sobre a UE.

Secções:
publicado por Jorge Assunção às 20:00
link do post | comentar | ver comentários (1)

Recordar, para não esquecer

De empregado de balcão a administrador: Vara sempre foi bem visto no PS. Através do seu amigo José Sócrates aproximou-se de Guterres e, após a vitória socialista nas legislativas de 1995 foi nomeado secretário de Estado da Administração Interna.

publicado por Jorge Assunção às 12:20
link do post | comentar | ver comentários (4)

O boy político e a falta de seriedade neste país

O novo Secretário de Estado da Defesa e dos Assuntos do Mar é Marcos Perestrello, outro cujo currículo não engana sobre os méritos que possui para atingir tal lugar. Em qualquer país sério esta nomeação seria motivo para profunda indignação, tão profunda e tão prolongada que o próprio seria obrigado a renunciar ao cargo. Aliás, num país sério, nenhum governo teria coragem para nomear este rapazola para o cargo em causa. Se me permitem uma consideração sobre a mentalidade do povo português a propósito deste assunto, direi que em Portugal poucos buscam a seriedade, mas muitos gostavam de estar na pele do rapazola. Por isso este país não é sério, este é um país de rapazolas e de aspirantes a rapazolas. Se a seriedade diminui a possibilidade de existirem rapazolas, a seriedade é um sério entrave aos desejos e aspirações da maioria do povo.

publicado por Jorge Assunção às 11:00
link do post | comentar

Do mesmo barro

Armando Vara arguido na operação Face Oculta. Este, que subiu na carreira como uma flecha, sem qualquer currículo que o justificasse, é do mesmo barro do outro, do que é primeiro-ministro. Não espero que a justiça faça grande coisa com ele, uma vez que da justiça, tal como da política, emana um cheiro insuportável. O cheiro da podridão.

publicado por Jorge Assunção às 10:30
link do post | comentar | ver comentários (2)
Quarta-feira, 28 de Outubro de 2009

O show off

Nunca escrevi sobre o deputado Nuno Melo e a 'sua' tão propagandeada e acarinhada comissão de inquérito ao processo BPN, mas como o agora deputado europeu ganhou notoriedade e continua insistentemente, por todo o lado que vai, e como vai a tanto lado o senhor deputado europeu, a relembrar ora sim, ora sim, o seu trabalho em tal comissão, queria deixar um pequeno apontamento sobre a minha avaliação do trabalho deste em tal comissão. Começo por afirmar que não aprecio Vitor Constâncio, que ora ocupa o papel de governador do Banco de Portugal, ora ocupa o papel de comissário político do partido socialista, mas, independentemente disso, não julgo que lhe faltem habilitações para o cargo que ocupa. Só assisti, por uma vez, ao famoso interrogatório que Nuno Melo desenvolvia na famosa comissão de inquérito. Foi o dia em que o governador do Banco de Portugal era o convidado. Nesse dia, o governador terá chamado, indirecta ou directamente, já não me recordo devidamente, ignorante a Nuno Melo. Eu assisti à troca de perguntas e respostas que levou o governador, visivelmente irritado, a proferir tal consideração. Não deixo de recordar como, antes disso, já eu pensara o que fazia ali um advogado, e para que conste Nuno Melo é advogado, a questionar o governador do Banco de Portugal sobre questões essencialmente económicas e complexas. Não é que um advogado não pudesse, se tivesse procurado informar-se, fazer as perguntas correctas e compreender a complexidade do assunto abordado, mas Nuno Melo nunca havia pensado fazer as perguntas correctas, ou, digamos de outra forma, abordar o assunto com a seriedade que este merecia. Nuno Melo fazia show off. Em parte, não lhe levo a mal, de que valeria fazer uma abordagem séria ao caso quando ele, mais do que a maioria, sabia como aquilo terminaria: com o PS a absolver qualquer pecado de Constâncio. Por isso, fez o que melhor lhe servia: aparentar uma competência que não teve e retirar frutos políticos disso no futuro.

publicado por Jorge Assunção às 19:30
link do post | comentar | ver comentários (3)

Casamento de pessoas do mesmo sexo: o referendo (II)

Diz o António, em resposta ao meu post sobre a não necessidade de referendo na questão do casamento de pessoas do mesmo sexo:

 

mas não deixa de ser verdade que mais tarde, uma maioria diferente terá na Assembleia da República igual legitimidade para revogar o que vier a resultar do mais que provável entendimento do PS com o BE sobre esta causa fracturante e moderna, como gostam de lhe chamar

 

Ora, terá no casamento de pessoas do mesmo sexo, como terá em qualquer outra lei. E o eleitorado julgará tal governo por isso. Mas, que eu saiba, até hoje, não houve nenhum referendo sobre a matéria, e isso não impediu que a legislação, tal qual ela existe actualmente, tenha sido estável. O actual quadro legal - casamento só para pessoas de sexo diferente - é estável, já se a legislação permitir o casamento de pessoas do mesmo sexo, transforma-se imediatamente em legislação instável, a qualquer hora possível de alteração na Assembleia da República, e só possível de estabilizar caso seja reforçada por aprovação da maioria num referendo. Até compreendo: a estabilidade da legislação depende da vontade da maioria. E, estou absolutamente convicto, se a legislação actual é estável é porque respeita a vontade da maioria. Mas ai volto para a segunda questão que coloquei no texto anterior: esta é uma matéria passível de ser decidida por maíoria popular? E é nesta questão que a minha resposta inequívoca é não. De resto, acho que assim que aprovado o casamento de pessoas do mesmo sexo, a legislação permanecerá estável, porque será difícil à oposição defender o retrocesso da lei à sua posição anterior. Quanto muito, acredito que possa existir uma nova maioria que force um referendo sobre a matéria, mas não alterará a legislação directamente na Assembleia da República. Mas contínua o António:

 

para tal bastará inscrever tal proposta num daqueles programas eleitorais que praticamente ninguém lê

 

Percebo o ponto que se pretende marcar, mas não concordo. Praticamente ninguém terá lido o programa do PS, não dúvido. Existirá mesmo quem não tenha percebido que o PS defendia o casamento de pessoas do mesmo sexo. Mas, se não soube foi porque não se informou, porque eu ouvi Socrátes, mais do que uma vez, na televisão, a defender a questão e a tentar marcar pontos com ela. Ouvi, inclusive, quem se manifestasse contra o PS por pretender introduzir tal legislação. O facto de ninguém ler o programa, não implica que os que dão-se ao trabalho de o ler, não divulguem à maioria da população interessada os pontos mais importantes. E, se a questão é tão sensível, ao ponto de agora solicitar-se um referendo, porquê que alguém acha que a questão passou relativamente na obscuridade durante a campanha eleitoral? Ora, aqui eu vou fazer outro ponto importante na minha argumentação, que explica também porquê que a questão passou sem a atenção merecida: a culpa foi do PSD (e mesmo o CDS/PP optou por não levantar a questão). O PS nunca evitou levar a campanha para o tema em questão, foi o PSD que fugiu dele como o diabo da cruz. Ferreira Leite não se sentia confortável com o assunto e o PSD, parece-me a mim que de forma fundamentada (ler este post do Pedro Magalhães), considerou que perdia votos se aquela fosse uma questão central das eleições. Percebam que este ponto é importante para justificar que, se legislação for aprovada no sentido de permitir o casamento de pessoas do mesmo sexo, a mesma será estável.

 

Volto à questão da maioria, da vontade da maioria. Considero, sem muitas dúvidas, que a maioria do povo português ainda é contra o casamento de pessoas do mesmo sexo, e isso tem permitido alguma estabilidade à legislação actual, cada vez mais frágil porque a maioria também tem vindo a perder dimensão. Mas, reparem que a partir do momento em que o casamento de pessoas do mesmo sexo for permitido, mesmo uma minoria, por motivos eleitorais, pode impedir que um partido, como o PSD, atreva-se a inscrever no seu programa a oposição ao casamento de pessoas do mesmo sexo. O post do Pedro Magalhães, já linkado neste post, explica porquê. Olhar para o exemplo americano da permissão de posse de armas de fogo também: a maioria dos americanos é contra as actuais leis de posse de armas de fogo, mas a National Rifle Association e os simpatizantes da causa são mais do que suficientes para garantir que a vitória numa eleição penderá para um lado, ou para o outro. Por isso, os Democratas não se atrevem a propôr a mudança da legislação.

 

No entanto partilho várias das tuas preocupações, nomeadamente as questões fiscais que colocas de forma pertinente, o que me leva a propor a introdução da figura da União Civil, à semelhança do Reino Unido

 

Aqui, parece-me, entramos no campo do estatuto da instituição. O casamento tem um valor simbólico, é uma instituição respeitada, valor esse que não é atribuível à União Cívil. Poderá ser dito que o valor simbólico da instituição casamento não foi garantido pelo Estado, mas pela sociedade (a tal maioria que quer vedar o acesso à minoria), e que é um abuso permitir a um grupo minoritário acesso a tal valor simbólico às custas do Estado, quando este não é responsável directo pelo valor atríbuido à instituição casamento. Compreendo, mas não aceito. A partir do momento em que existe o casamento cívil nos moldes que conhecemos, este não pode ser discriminatório, nem deve respeitar as regras do casamento religioso que, convenhamos, foram fundamentais para a valorização positiva da instituição em causa. Mas, convém perceber que os homossexuais fazem parte dessa mesma sociedade, e eles próprios, ainda que minoritários, são também responsáveis pela valorização positiva atribuida ao casamento: não por acaso querem ter acesso a ele. Dirão que a partir do momento em que os homossexuais acederem ao casamento, o prestígio da instituição diminui. Bem, mas o Estado não pode preocupar-se com tal coisa: percebo que para atribuír valor a algo seja necessário restringir o seu acesso, não aceito é que tal seja praticado pelo próprio Estado. E se o valor do casamento diminuir com o acesso dos homossexuais ao mesmo, então também fica garantido que o Estado não consegue apropriar-se de uma simbologia nascida na sociedade cívil e atribuir essa mesma simbologia positiva a qualquer grupo que não tivesse anteriormente acesso a ela. O que não deve ser preocupação do Estado é o efeito das suas acções sobre a simbologia da instituição em causa. Aliás, se o Estado tem assim tanta capacidade de influenciar o valor simbólico do casamento, talvez o valor simbólico do mesmo resulte do próprio Estado e, por isso, o ponto que me levou a escrever este parágrafo não tem sentido nenhum.

 

Olhemos para a questão do divórcio. Uma das vertentes que atribui especial importância e um simbolismo positivo ao casamento, resulta necessariamente dessa ideia de que, quando casamos, ficamos ligados a uma pessoa para a vida. Dirão que já não é bem assim, mas naquele exacto momento em que duas pessoas se casam, mesmo sabendo de antemão que existe a figura do divórcio, é a ideia de acompanharem para o resto da sua vida a pessoa que tem à sua frente que as acompanha. Ninguém casa, acho eu, a pensar que dai a alguns anos podem ver-se livres de quem têm à sua frente e logo tratarão de arranjar nova pessoa com quem juntar os trapos. Mas o meu ponto é o seguinte: o casamento católico é efectivamente para a vida, porque perante Deus só casamos uma vez. Mas o casamento cívil nunca o poderia ser. Talvez as regras do Estado retirem simbolismo e importância à figura casamento, sendo que o casamento religioso reforça o valor do acto. Mas o Estado poderia actual de outra maneira? Poderia o Estado afirmar que a pessoa xyz já foi casada, divorciou-se, logo não mais poderá casar e para sempre ficará impedida de aceder aos benefícios que o casamento cívil garante? Poder, podia, mas não o faz. E se não impede o anteriormente casado de voltar a casar, também já é tempo de não impedir o que quer casar com alguém do mesmo sexo a fazê-lo.

publicado por Jorge Assunção às 12:30
link do post | comentar | ver comentários (2)
Terça-feira, 27 de Outubro de 2009

A goleada ao Nacional

Vejo que o pénalti do terceiro golo não devia ter sido assinalado e que o quarto golo foi precedido de falta. O comentador enviezado repara demasiado nestes lances. Ora bolas, e o fora-de-jogo não assinalado contra o Nacional que originou o primeiro golo da equipa madeirense? E o golo legal de Saviola anulado ainda na primeira parte? Tudo lances que antecederam os outros dois citados inicialmente. Na verdade, fomos para o intervalo a ganhar 2-1, devíamos ter ido a ganhar 3-0, e nada mais vale a pena discutir sobre quem, mesmo perante um 6-1, ainda arranja tempo para falar do árbitro.

Secções: ,
publicado por Jorge Assunção às 20:00
link do post | comentar | ver comentários (1)

Casamento de pessoas do mesmo sexo: o referendo

O António de Almeida apoia o referendo sobre a questão do casamento de pessoas do mesmo sexo. Não concordo. Em primeiro lugar, importa tentar perceber porquê que, se a questão era referendável, só agora é solicitado o referendo. É que, segundo recordo, nem no programa do PSD, nem no programa do CDS/PP, os dois partidos de direita em Portugal, era defendida a realização de referendo sobre o assunto. Assim sendo, percebe-se que para estes partidos, bem como para a maioria dos opositores do casamento homossexual, para manter tudo como está, não seria necessário referendo nenhum. Só porque adivinham uma mudança à lei, mesmo porque constava no programa do PS, mostram-se agora favoráveis ao referendo. Mais incompreensível, contudo, é que seja de deputados do próprio PS, da ala católica, não por acaso, que a questão tenha sido levantada. Ora, então não foram estes deputados a jogo tendo como base o programa de um partido que defendia o casamento de pessoas do mesmo sexo? Se eram contra tal proposta, não fossem a jogo por tal partido ou, tendo ido a jogo e tendo uma posição contrária a tal medida, em vez de chutarem para canto, para um referendo, façam valer a vossa posição na Assembleia da República, votando contra qualquer proposta que vá contra o que acreditam, muito embora, reconheço, não deixarei de manifestar a minha estupefacção por, numa questão que pelos vistos é muito sensível, tais deputados terem ido a jogo tendo por base um programa com o qual, numa questão sensível, repito, estavam em profundo desacordo. É que poderia dar-se o caso de terem ido por engano, mas não, o Partido Socialista nesse aspecto foi cristalino e há que dar o mérito ao partido por isso.

 

Em segundo lugar, não concordo que esta questão seja resolvida por decisão da maioria, pelo menos nos termos em que é colocada. O casamento civil, tal como está consagrado pela lei portuguesa, atribui benefícios a quem recorre a tal associação. Benefícios esses que são atribuidos pelos Estado. Ora, se o Estado atribui benefícios a um determinado grupo maioritário, parece-me da maior justiça que não possa discriminar um grupo minoritário, e vejo-me, para ficar bem comigo próprio, a alinhar com a posição dos minoritários que desejam acesso ao mesmo benefício de que a maioria já dispõe. A maioria não tem o direito de vedar os beneficios a uma minoria quando a própria minoria contribui para alguns desses beneficios (no campo fiscal, nomeadamente). Se querem fazer um referendo, façam-no como deve ser feito: ou a maioria aceita perder os benefícios de que actualmente dispõe, ou aceita que a minoria passe a dispôr desses mesmos benefícios.

publicado por Jorge Assunção às 12:30
link do post | comentar

Tão cheio de razão

Mas hoje, quando a "verdade" é um anátema ou um insulto, isso também não incomoda ninguém. E, ao fim de dez em onze comentadores e jornalistas na SICN ou na TSF ou na RTPN a dizerem o mesmo, quem é que se atreve a duvidar?

 

Na mouche. Pacheco Pereira, que se afasta da mediocridade reinante, e por isso tão criticado, é dos poucos que ainda vou escutando e lendo com atenção. Nem sempre concordo com o que diz, mas respeito-o pelo pensamento livre. Pensamento livre que não o impede de ter uma agenda política, mas a agenda é conhecida de todos. Respeito-o por isso. Já não respeito e não me merecem consideração nenhuma a quantidade infindável de comentadores 'independentes' que poluem os meios de comunicação social.

publicado por Jorge Assunção às 11:09
link do post | comentar
Segunda-feira, 26 de Outubro de 2009

Na Educação

A ministra que não agradava a quase nenhum professor já se foi embora. Agora, só falta que os professores, que tanto se indignaram com esta ministra, mostrem igual desconforto e insatisfação pelos professores medíocres que continuam a contaminar o nosso sistema de ensino. É que a ministra, má ou boa, todos sabíamos que mais tarde ou mais cedo seria corrida de lá. Já os professores a que me refiro, e que não são tão poucos quanto isso, há anos que por lá andam sem que qualquer protesto digno de nota se verifique.

publicado por Jorge Assunção às 15:03
link do post | comentar | ver comentários (5)
Domingo, 25 de Outubro de 2009

A propósito do caso Obama/Fox News

Pergunta o Rui Pedro Nascimento, a propósito da guerra lançada pela administração Obama à Fox News:

 

A dúvida é: se o jornalista ou meio de comunicação social decide, no seu direito inalienável de Liberdade de Expressão, contestar uma pessoa, porque é que essa pessoa não tem o direito de Escolha de não falar a esse jornalista ou meio de comunicação?

 

Essa pessoa tem todo o direito, mas Obama (e Sócrates) não se representam só a si. São pessoas que ocupam um cargo institucional e quando estão a exercer tal cargo devem agir em função da responsabilidade inerente ao mesmo. Para mais, não foi Obama, a título pessoal, que entrou em guerra com a Fox News, mas a administração em peso, mesmo porque, não exercesse Obama o cargo em causa e a Fox News não se preocuparia minimanente com este.

publicado por Jorge Assunção às 13:45
link do post | comentar | ver comentários (3)
Sábado, 24 de Outubro de 2009

Foi pena

Diz Pedro Pita Barros que "Foi pena o estudo sobre a revisão do sistema fiscal não ter sido divulgado antes das eleições - é um tema importante para o qual seria relevante saber as posições dos partidos antes da votação", e acrescenta, "ainda assim, não deixa de ser uma oportunidade para os partidos apresentarem de forma clara as suas posições (será que o conseguem? ou teremos apenas as banalidades habituais em termos de análise por parte dos responsáveis partidários?)". Eu concordo com Pedro Pita Barros, mas até pela forma como o estudo foi apresentado nos noticiários, e pelo tempo que passou desde a divulgação do mesmo estudo sem que os partidos se pronunciassem, ficou claro para mim a sua utilidade. Foi um teste ao mercado: verificar se o povo estaria receptivo a algumas daquelas ideias e caso o povo mostrasse receptividade, arriscar adoptar algumas das medidas anunciadas. Aquilo não foi um estudo, aquilo foi uma prospecção ao eleitorado. Estes estudos nunca servem para os partidos apresentarem de forma clara as suas posições, mas antes para os partidos averiguarem que tipo de posições podem apresentar. Assim vai a política portuguesa.

publicado por Jorge Assunção às 19:28
link do post | comentar | ver comentários (2)

Frases literárias

O socialismo não é só o problema do operariado, ou seja, do assim chamado quarto estado, mas, em primeiro lugar, uma questão ateísta, uma questão da encarnação moderna do ateísmo, a questão da Torre de Babel sem Deus e sem pretender atingir os céus a partir da terra, mas para fazer descer os céus à terra.

 

Fiódor Dostoiévski, Os Irmãos Karamazov

publicado por Jorge Assunção às 12:48
link do post | comentar
Sexta-feira, 23 de Outubro de 2009

O pior cego

"O pior cego é aquele que não quer ver", terá dito Passos Coelho, ontem, no Conselho Nacional do PSD, quando Ferreira Leite anunciou que só convocará directas depois da aprovação do Orçamento de Estado. Infelizmente, o ditado aplica-se que nem uma luva ao 'eterno jovem', que ainda não percebeu que a sua atitude de permanente confrontação e a pressa que aparenta em chegar ao poder são sinais claros de cegueira. Há um ditado que diz que "o poder cega", o que dizer então daquele que se deixa cegar antes de ter o poder. É como se n'O Senhor dos Anéis, de Tolkien, existisse um personagem que, antes de ter possuido o anel, já o tomasse como o seu precioso.

publicado por Jorge Assunção às 20:04
link do post | comentar

Novo governo

Horas de comentário televisivo para quê? É mais do mesmo. Nas pastas chave ou estão os mesmos ou quem pensa como o antecessor. Exceptuando, é certo, na educação, mas nesse ministério já se percebeu que ninguém vai pensar grande coisa. Não é tempo de levantar ondas, nem de ambicionar grandes reformas. O novo governo entra em funções em pré-campanha eleitoral, já a pensar nas presidenciais e legislativas que chegarão a curto prazo.

publicado por Jorge Assunção às 10:59
link do post | comentar

Ainda sou do tempo

Em que os resumos dos jogos do Benfica incluíam (quando não se ficavam só por) oportunidades de golo. Actualmente, o limite de tempo dos resumos televisivos só permite mostrar os golos.

publicado por Jorge Assunção às 10:57
link do post | comentar | ver comentários (2)

Sporting

O Sporting está para o futebol como o PSD está para a política: nada corre bem, mesmo quando ganha, a avaliar pelos comentadores televisivos, parece que perde, e não falta quem solicite chicotada psicológica urgentemente.

publicado por Jorge Assunção às 10:54
link do post | comentar
Quinta-feira, 22 de Outubro de 2009

Obras para garantir mais 12 mil lugares...

 

... e ainda podemos ter jogos do Mundial de Futebol 2018 aqui no Algarve. Porreiro, pá!

 

Ora deixa cá ver: em 2009, ganhou o Macário Correia a Câmara Municipal de Faro. Defende que é inadmissível que o Algarve fique fora de um Mundial de Futebol, tal como o seu antecessor, José Apolinário, já defendia. Quanto muito, Macário Correia voltará a ganhar em 2013, o que prolongará o seu mandato até 2017, depois disso, até pelo historial da autarquia a não renovar mandatos aos seus autarcas, dificilmente continuará no cargo. Por volta dessa altura, a autarquia torna a gastar dinheiro num elefante branco. Nos anos seguintes, não será Macário o presidente que responderá pelas dívidas criadas. Macário, homem nascido e criado fora de Faro, faz bem em pretender ter o Mundial no Algarve à custa do dinheiro da autarquia de Faro (e de Loulé, presumo, embora nestas coisas o presidente da Câmara de Faro dá sempre a cara com todo o gosto, coisa que escapa ao meu entendimento, mesmo porque, comparando a situação financeira das duas autarquias, a de Faro é bem pior que a de Loulé). Eu, se fosse farense, é que não ficava nada satisfeito por ver o responsável máximo pela gestão do município a defender tal coisa.

publicado por Jorge Assunção às 18:45
link do post | comentar
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Mais sobre mim

Contacto

jorgeassuncao@europe.com

Subscrever feeds

Pesquisar neste blog

Links

Add to Technorati Favorites

Arquivos

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Secções

desporto(383)

politica nacional(373)

cinema(291)

economia(191)

música(136)

ténis(132)

humor(131)

futebol(130)

eleições eua(118)

estados unidos(115)

portugal(115)

blogs(109)

miúdas giras(93)

jornalismo(88)

politica internacional(87)

governo(79)

televisão(74)

blogosfera(69)

oscares(68)

pessoal(55)

todas as tags

blogs SAPO

 

Twingly BlogRank