Domingo, 30 de Novembro de 2008

Emmylou Harris

Secções:
publicado por Jorge A. às 22:50
link do post | comentar

Noticias da Frente II

Duas noticias, a primeira para dizer que a fantástica banda sonora do The Dark Knight fica fora dos óscares por questões burocráticas. A segunda para dar conta que entre os documentários em consideração para a nomeação, Religulous (trailer) não é sequer tido em consideração, brincadeiras com a religião não é coisa que a Academia queira premiar. Por outro lado, o vencedor nessa categoria é praticamente certo: Man on Wire.

 

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 22:05
link do post | comentar | ver comentários (2)

Commies Aren't Cool

A contribuição da URSS e, posteriormente, do campo dos países socialistas, para os grandes avanços de civilização verificados no século XX foi gigantesca.

Assim diz o Partido Comunista Português que está este fim-de-semana reunido em congresso (via: Pedro Correia). A coisa merece tributo:

 

 

Alguém quer encomendar a sua:

publicado por Jorge A. às 00:34
link do post | comentar | ver comentários (10)
Sexta-feira, 28 de Novembro de 2008

Dar rosto às vitimas

In this photo provided by Chabad.org, Rabbi Gavriel Holtzberg, right, and his wife, Rivkah Holtzberg, left, performing a Jewish wedding in Mumbai, India, in 2006

“The Holtzbergs could have lived a simple and quiet life in Crown Heights, where Rabbi Holtzberg grew up, but their sense of religious duty took them to India to run Mumbai’s Chabad House, which, under their stewardship, became a comforting home away from home for thousands of Jews. We are inspired by their commitment to others. The prayers of Brooklynites, New Yorkers and the global community are with the Holtzberg’s family, loved ones, and especially with their 2-year-old son, Moshe, in this tragic time.”

São muitas as vitimas do terror na India. Mas a morte do rabi Holtzberg e da sua mulher nos atentados carrega-se de uma simbologia importante. Esta gente nasceu em Israel, viveu nos Estados Unidos e cumpriam aquilo que achavam ser a sua missão na India em nome da sua comunidade. Um grupo de fanáticos acabou com as suas vidas e deixaram uma criança de dois anos orfã.

Secções:
publicado por Jorge A. às 22:24
link do post | comentar | ver comentários (1)

Noticias da Frente

O Australia, como eu esperava, parece estar fora da corrida pelos óscares, quer pela reacção dos criticos, quer porque caminha para um flop na bilheteira, quer porque entre o público em geral que já viu o filme a reacção não tem sido nada por aí além. A fórmula, essa, está mais que gasta e, sim, há de aparecer alguém a reabilitar o género, mas esse alguém não é o Baz Luhrmann (e a Nicole Kidman também teve a sua fase mágica, depois fez o Cold Mountain e eclipsou-se).

 

Já o Milk parece bem encaminhado para o sucesso. Os criticos adoram-no e a reacção geral do pouco público que já teve oportunidade de vê-lo é também boa. Claro que sendo baseado na história real de Harvey Milk, o primeiro homossexual eleito para um cargo público na Califórnia, não será bem recebido por certos sectores da sociedade (sendo também certamente empolado por outros) e por muito que Hollywood tenha as suas bandeirinhas, estas coisas pesam. Duvidam? Perguntem ao Ang Lee e ao seu Brokeback Mountain.

 

Entretanto o Slumdog Millionaire destaca-se este ano como o filme que, mesmo sendo bom, pode começar desde já a só ambicionar à estatueta para melhor argumento adaptado (se fosse argumento original então, dada a tradição, era coisa certa).

 

Para terminar, só para avisar que estas pérolas entraram na minha colecção de filmes vistos: Yojimbo e Rashômon do mestre Kurosawa; The Third Man para confirmar o fascinio da personagem Harry Lime magistralmente interpretado por Orson Wells; Nineteen Eighty-Four, muito longe do encanto do livro, mas de qualquer forma bom; e Tropic Thunder onde o realizador, argumentista e actor Ben Stiller muito bem coadjuvado faz um grande filme de humor.

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 21:03
link do post | comentar | ver comentários (2)
Quinta-feira, 27 de Novembro de 2008

Por amor de Zeus...

publicado por Jorge A. às 21:07
link do post | comentar | ver comentários (4)

Only Thing We Have to Fear Is Fear Itself

No Drudge Report desde os ataques de ontem na India que os grandes destaques vão para noticias que dão conta de possiveis ataques terroristas da Al-Qaeda em solo americano, mais concretamente na cidade de Nova Iorque. A consciência de que a ameaça existe e os terroristas não desapareceram é boa para manter os serviços secretos e policiais alerta, mas o medo meus caros... o medo é o único sentimento ao qual não se pode ceder.

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 12:32
link do post | comentar | ver comentários (4)

Quem se põe a jeito...

Ainda sobre o comportamente atipico dos adeptos do Sporting no jogo de ontem, o relato dos acontecimentos por quem esteve presente no estádio:

Faltavam uns 15 minutos para o fim do jogo. O Sporting já tinha papado 5 golos do Barcelona. Os adeptos do Sporting desatam a pontuar os passes certos da sua equipa com olés. Os adeptos do Barcelona olham atónitos para o espectáculo e certificam-se de que estão a ganhar 5-2. O Sporting perde a bola. Os adeptos do Barcelona respondem com sonoros olés a cada passe certo da sua equipa. Os adeptos do Sporting, perante a diferença do número de olés, mudam de estratégia e desatam a gritar o nome do Figo. O Barcelona ganha a posse de bola. O estádio emudece durante uns instantes. Em seguida, os adeptos do Barcelona respondem gritando a uma só voz… Benfica!
Secções: , ,
publicado por Jorge A. às 12:19
link do post | comentar
Quarta-feira, 26 de Novembro de 2008

Em Guerra

Polícia indiana confirma 80 mortos e 250 feridos nos atentados de Bombaim

 

Há quem diga que não se pode olhar para o mundo a preto e branco, dividir o mundo entre bons e maus. Mas os que actuaram esta noite na India não tem desculpa e não admito que quem quer que seja introduza um "mas" na explicação da sua conduta. Podemos discutir a forma de lutar contra esta gente, mas não há discussão possível sobre a necessidade de lutar. Alguns tolinhos podem andar entretidos à espera que George W.Bush seja levado a julgamento por crimes de guerra, podem andar entretidos em equivalências morais que só existem na sua noção deturpada do que é a moral. Podemos discutir Guantanamo, Abu-Ghraib, a guerra do Iraque no seu todo, mas não podemos perder a noção de quem é o inimigo, nem a dimensão do confronto com que nos deparamos. Nos actos desta gente está espelhada a maldade pura, não se tratam de erros de julgamento (é verdade que na tentativa de praticar o bem, muitas vezes são cometidas atrocidades, mas esta gente nunca na vida está a tentar praticar o bem), ao optarem pelo terror, a matança de inocentes, não há justificação possível nem aceitável. Atacar na India é atacar na democracia mais populosa do mundo, é com isso que nos defrontamos, com um ataque não menor, nem menos preocupante, do que aquele que aconteceu em Nova Iorque, em Bali, em Madrid ou em Londres. A confirmar-se, e olhando para os pontos alvo do ataque parece óbvio que assim é, que os terroristas procuravam ostentivamente atingir cidadãos de países ocidentais, fica evidente que os ataques podem ser na cidade indiana longingua de Mumbai, mas é a mim que me atacam e eu sinto-me atacado. Espero pois que os meus governantes, aqueles que perfilham dos meus valores e dos meus ideais, tenham a reacção indicada para com a gentalha em causa...

publicado por Jorge A. às 23:31
link do post | comentar | ver comentários (2)

Três Tristes Tigres

 

Tenho o pouco prazer de assistir à segunda parte do Sporting contra o Barcelona. Alguns dos adeptos que assistem ao jogo assobiam o árbitro em todas as decisões que este toma contra a sua equipa (mesmo que muitas sejam absolutamente evidentes e justas), tem a lata de cantar "olés" quando a sua equipa leva uns humilhantes 2 a 5 e, para tornar a coisa ainda mais curiosa, alguns acham que tem graça entoar o nome do Figo nas bancadas como que para desferir com isso um golpe no orgulho catalão. Os tristes não percebem que se alguém fica mal com isso é a sua equipa.

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 21:27
link do post | comentar | ver comentários (1)

Eficiência

... um casamento e um batismo.

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 01:14
link do post | comentar | ver comentários (1)
Terça-feira, 25 de Novembro de 2008

The Man

 

Plano de relançamento europeu admite défices excessivos nos próximos dois anos

Bruxelas defende ainda a redução de impostos indirectos, como é o caso do IVA, a fim de “dar um impulso forte ao consumo”. O Reino Unido já anunciou que vai reduzir a sua taxa máxima de IVA de 17,5 para o mínimo europeu de 15 por cento, mas Alemanha e França contestam uma baixa generalizada dos impostos.

Este é o amigo que chegou ao governo português em tempo de crise e aumentou o IVA em dois pontos percentuais. Certo, ele e Ferreira Leite estavam limitados por um Plano de Estabilidade e Crescimento que penalizava défices acima de três por cento, mas não é menos certo que passados que estão seis anos Portugal continua com problemas orçamentais e nunca recuperou no que toca às taxas de crescimento económico. As previsões da OCDE para Portugal prevêem o aumento do défice em 2009, dos 2,2% previstos para este ano, para 2,9% (eu gostava de uma previsão é para quando ouvirei falar em superavit no orçamento português, dado o ritmo das reformas feitas e das pressões demográficas que se avizinham, para nunca mais) - previsões essas que garantem dores de cabeça do nosso chefe-mor, se bem que o homem tem sempre o spin debaixo da lingua (será que a comparação serve para todos os anos do seu mandato?). Entretanto, o governo anda a justificar um aumento salarial da função pública de 2,9% como "realista e responsável", mas os sindicatos não satisfeitos prometem levar a luta para a rua. Cá por mim, face à realidade actual, quer o governo é irresponsável no valor do aumento salarial prometido, quer os sindicatos assumem-se cada vez mais como o cancro do regime.

publicado por Jorge A. às 22:31
link do post | comentar | ver comentários (4)

There's a New Blog in Town

... e a avaliar por quem lá escreve, rapidamente vai passar a leitura diária: Risco Contínuo (nota: o template está fenomenal).

Secções: ,
publicado por Jorge A. às 20:55
link do post | comentar | ver comentários (4)

Jogada de Risco

BPN: Presidente da República mantém confiança em Dias Loureiro

 

Pôr as mãos no fogo...

publicado por Jorge A. às 19:22
link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 24 de Novembro de 2008

Retórica

N'O Insurgente um post com atenção para o artigo do Wall Street Journal que aponta o novo secretário do tesouro norte-americano, Timothy Geithner, como o "Secretary of Bailouts", o Francisco Almeida Leite no Corta-Fitas diz que o homem "é um defensor acérrimo do intervencionismo do Estado" e que para quem está agora espantado "não foi por falta de aviso". Ora, sobre bailouts e intervencionismo de estado acho que a referência ao nome do actual secretário do tesouro republicano Hank Paulson devia arrumar o assunto de vez - porque pensar que os republicanos são nesse aspecto muito diferentes dos democratas é pura ilusão (especialmente com McCain a liderar uma administração republicana). Ao contrário do que o Francisco Almeida Leite sugere no seu post, se alguns devem mostrar-se admirados com as escolhas de Obama e agradavelmente surpreendidos é por estas indicarem  uma aposta na competência e aptidões técnicas, sendo do ponto de vista ideológico muito mais viradas para o centro do que para a esquerda (embora de alguém que tivesse Austan Goolsbee e Jason Furman como conselheiros económicos avisados já nós estávamos). E vale a pena dar uma vista de olhos pelo que algum pessoal de direita insuspeito têm dito das escolhas de Obama para a área económica:

"The Dow is up 6.5 percent. And Tim Geithner will be Treasury Secretary. That's the two pieces of good news." Tyler Cowen

"Christina Romer to chair the CEA. She understands the Great Depression very well. I can't vouch for her managerial or political abilities one way or the other, but intellectually this is a very good pick." Tyler Cowen

 

"Obama has named his economics team. Marquee names: Christina Romer at the CEA, Larry Summers to head the NEC, and Tim Geithner of the New York Fed for Treasury Secretary. All of these people are sterling choices... except for Geithner. And Geithner is wrong not because he won't be a good Treasury Secretary, but because he's such a very good president of the New York Fed." Megan McArdle

 

"President-elect Obama plans to name Christina Romer... to chair his Council of Economic Advisers. An excellent choice." Greg Mankiw (convém referir que Mankiw exerceu tal cargo durante a presidência de George Bush)

 

"Christina Romer’s appointment to the chair of the President’s Council of Economic Advisors is excellent news." Will Wilkinson

Já agora, para quem quer perceber o porquê do entusiasmo da direita americana com a escolha de Christina Romer, o estudo desta em cojunto com o marido onde chegavam a conclusões como esta talvez ajude (via. Hit & Run):

"Our estimates suggest that a tax increase of 1% of GDP reduces output over the next three years by nearly 3%. The effect is highly statistically significant."

Eu gostava de saber é o quê que o Daniel Oliveira e o Rui Tavares tem a dizer sobre tais escolhas.

publicado por Jorge A. às 20:46
link do post | comentar
Domingo, 23 de Novembro de 2008

Penélope

Secções:
publicado por Jorge A. às 18:02
link do post | comentar | ver comentários (2)

Ironia

Irony Is Dead. Again. Yeah, Right.

 

Mas a Ferreira Leite está a tentar ressuscitá-la.

publicado por Jorge A. às 17:57
link do post | comentar

Ler os Outros

O Pedro Correira tem feito um óptimo apanhado de algumas das coisinhas que à esquerda se foi escrevendo sobre Barack Obama subordinado ao tema para mais tarde recordar. E é um trabalho interessante porque estou absolutamente convencido que, salvo com a manutenção de uma qualquer ilusão, praticamente todos à esquerda (falo dos socialistas na verdadeira acepção da palavra e não dos sociais-democratas - ler a propósito o último tópico deste artigo do Alberto Gonçalves) irão mais tarde ou mais cedo desapontarem-se com Obama (a questão do médio oriente é uma boa aposta para motivo da primeira grande desilusão). Esta noticia do New York Times é particularmente relevante para perceber o que espera certa esquerda que se reviu em Obama: Obama Tilts to Center, Inviting a Clash of Ideas. Escuso de mencionar o quanto o "centro" na politica norte-americano anda muito próximo do que por cá se chamaria direita neoliberal. Por outro lado também vale a pena recordar o que o Pedro Correia dizia em Setembro de 2008:

Enquanto Obama não ganhou um voto com a péssima escolha de Joe Biden, enquanto deixava Hillary Clinton à margem. A qualidade de um político mede-se também por estas escolhas: quem está seguro da sua capacidade de liderar não receia designar um número dois que possa fazer-lhe sombra...

Espero agora que a the right woman in the right place lhe traga mais confiança nas qualidade politicas de Obama, que aliás sempre foram conhecidas por quem acompanhou o seu percurso desde o principio, ler a propósito o que diz David Axelrod agora sobre o novo presidente-eleito:

"I think it's fair to say that all of these appointees will have the full backing of the president. That's why he's selecting them. And the one thing I can tell you from working for six years with Barack Obama - that he is someone who invites strong opinions. He enjoys that - he thinks it's an important element of leadership."
publicado por Jorge A. às 17:00
link do post | comentar | ver comentários (2)

Sócrates 2.0 (II)

Obama menos ambicioso que Sócrates no emprego (via: O Insurgente)

Com efeito, os 150 mil novos empregos anunciados então representavam um aumento de 2,9% da população empregada portuguesa, enquanto os 2,5 milhões de Obama não vão além de 1,7% da massa trabalhadora norte-americana.

 

É que o Governo português contava criar 150 mil empregos, essencialmente por via do crescimento económico e pela melhoria das qualificações dos portugueses. Já Barack Obama aposta sobretudo no investimento público, tendo sublinhado que os novos empregos estarão associados à construção de estradas e pontes, à modernização das escolas e à construção de infra-estruturas de energias alternativas.

Por outros palavras, Sócrates nunca foi honesto na sua promessa e Obama é (chamam-lhe falta de ambição, funny). Sócrates prometeu algo que não era da sua dependência criar, Obama promete algo que pode cumprir. Para além disso o primeiro dava a entender que os novos empregos seriam saldo liquido face aos empregos criados e aos destruidos (não se aceite este ponto, e a promessa era não só pouco ambiciosa, como estúpida: era mais que certo que num mandato governamental, o sector privado criaria ao todo mais empregos do que o número em causa), já o segundo promete criar emprego com o dinheiro do contribuinte para compensar o mais que certo aumento do desemprego no sector privado. O primeiro mina a democracia, o segundo não (mesmo porque o segundo já fala na condição de eleito e não de quem se procura eleger, como fez o primeiro). Mas o essencial mantém-se, a proposta de Obama é, para mim, nos seus pressupostos errada. Contudo, o termo de comparação mais correcto para com o governo de Sócrates não é essa famosa promessa dos 150 mil novos empregos (a distinção inglesa entre politics e policy era muito bem aplicada a esse caso), mas muito mais a visão socialista do investimento público como o motor da economia, transposta no seu programa de grandes obras públicas como o TGV e o novo aeroporto de Lisboa.

publicado por Jorge A. às 16:05
link do post | comentar
Sábado, 22 de Novembro de 2008

Fazer Bem

Dias Loureiro: “Confiei que Oliveira e Costa estava a fazer bem”

No ano seguinte, em Abril, manteve uma reunião com António Marta, então vice-presidente do Banco de Portugal com o pelouro da supervisão bancária, onde alertou para a necessidade de ter especial atenção para com o BPN. “Disse-lhe o seguinte: não tenho conhecimento de nada nem qualquer desconfiança em relação à Sociedade Lusa de Negócios (SLN) mas a SLN tem um banco, tem accionistas e estou preocupado com isso. O que lhe queria pedir era que tivesse uma atenção especial ao BPN”, afirmou.

Ex-vice governador do Banco de Portugal desmente Dias Loureiro 

Segundo o relato de António Marta, Dias Loureiro até lhe terá perguntado porque é que a supervisão bancária não largava o BPN, conta a TSF.

Se a entrevista de ontem de Dias Loureiro era para tentar afastar especulações sobre a sua ligação ao BPN e às condutas de que é acusado José Oliveira e Costa, então ficou muito longe do objectivo. Ainda mais evidente foi como seria bom que Dias Loureiro tivesse sido ouvido e questionado no Parlamento sobre o assunto. E não só evidente, mas absolutamente imperioso, é a saida de Dias Loureiro como conselheiro de Estado. E se não se pode confiar em Dias Loureiro para fazer bem, demitir-se, terá de ser o senhor presidente da república a demiti-lo.

publicado por Jorge A. às 12:38
link do post | comentar | ver comentários (4)

Sócrates 2.0

Obama prevê criar 2,5 milhões de empregos até 2011 nos EUA

 

Certamente pondo pessoal a abrir buracos para logo de seguida tapá-los. Deve resultar, sem dúvidas.

publicado por Jorge A. às 12:28
link do post | comentar
Sexta-feira, 21 de Novembro de 2008

Não é Solução

American Hypocrisy in Auto Rescue Spurs Me-Too Trade Ire  

A U.S.-triggered spate of global carmaker-bailout proposals may spark trade disputes over whether the Americans are unfairly trying to subsidize their industry or just making up for state aid foreign rivals already enjoy.

Em tempo de crise a tentação proteccionista dos governos face às indústrias nacionais é dos sentimentos que mais devem ser evitados. Muitos dos que na Europa defendem o bailout norte-americano à sua indústria automóvel só o fazem porque esperam replicar as mesmas soluções para as empresas com problemas nos seus países. Por todos e mais alguns motivos, é precisamente nesta altura de crise que o comércio livre deve ser mais preservado e a concorrência internacional valorizada, sob pena da crise prolongar-se. Na ânsia de salvarem indústrias nacionais ineficientes, os governos impedem a renovação do tecido produtivo e o ajuste natural das economias às novas condições de mercado. Com vista a salvar alguns no imediato, a maioria sai prejudicada. Não perceber isto é não perceber o essencial.

publicado por Jorge A. às 20:39
link do post | comentar | ver comentários (2)
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Mais sobre mim

Contacto

jorgeassuncao@europe.com

Subscrever feeds

Pesquisar neste blog

Links

Add to Technorati Favorites

Arquivos

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Secções

desporto(383)

politica nacional(373)

cinema(291)

economia(191)

música(136)

ténis(132)

humor(131)

futebol(130)

eleições eua(118)

estados unidos(115)

portugal(115)

blogs(109)

miúdas giras(93)

jornalismo(88)

politica internacional(87)

governo(79)

televisão(74)

blogosfera(69)

oscares(68)

pessoal(55)

todas as tags

blogs SAPO

 

Twingly BlogRank